SHINee Portugal

SHINee Portugal

Um lugar de carinho, uma segunda casa, um lugar de encontro de Shawols e não só!
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sex 16 Nov - 17:23:53

Miguel: eu apresento as personagens quando elas aparecem ^^'' oki?
Umma: XD olha-m q essa xD esse número é 21 umma :)
eu tenho q fzr edits pq isto tá uma beca mal xD assim q puder corrigo oki? ^^''
Voltar ao Topo Ir em baixo
lenitta
Flaming Charisma
Flaming Charisma
avatar

Feminino Mensagens : 2574
Reputação : 0
Data de inscrição : 04/01/2012
Idade : 26
Localização : Setúbal - Montijo

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sex 16 Nov - 18:32:56

eu cheguei lá.. com a tradução hahaha
Voltar ao Topo Ir em baixo
HailieKibum
NewBie
NewBie
avatar

Feminino Mensagens : 491
Reputação : 0
Data de inscrição : 16/05/2012
Idade : 19
Localização : oh yess i live in a bear costum ÒuÓ

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sab 17 Nov - 4:22:57

omg pls loved this chap more omortjoiyrij
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://hyomin-aoi.tumblr.com/
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: 2º Capítulo - Uma Atitude Infantil   Seg 19 Nov - 13:02:15

ainda bem :3


Personagens do 2º Capítulo:
Femininas:
Kate(Caty), tem 19 anos. É simpática, amiga, fofinha, curiosa, extrovertida e teimosa. Gosta de ouvir música e de dançar, e não gosta da morte nem te tarântulas. É inglesa.
Tanya. Tem 19 anos,. É muito provocadora e ativa, anda sempre de um lado para o outro, raramente está no mesmo sítio por mais de dois minutos.
Stephany. Tem 20 anos. É muito esperta e quer alcançar os seus objetivos o mais rapidamente possível pelo que não olha a meios para atingir os fins. Não gosta de silêncio nem de música pelo que é uma fala barato.
Vitória (Shycter). 19 anos. É uma pessoa muito mandola, detesta que lhe digam que não, é muito violenta e muito responsável. É demasiado arrumada e tem medo de quase tudo. É mexicana.
Masculinas:
SuHo [Kim Joon Myeon] 21 anos. É irrequieto e animado. Pensador e movimentado, não consegue estar parado. Por vezes é inconsciente e superficial. Gosta de aprender e comunicar; estar ocupado com algo; jogar golf e ser irresponsável de vez em quando. Não gosta de prazos para cumprir nem de fazer as coisas à pressa ou estar ao ar livre. Preocupa-se com os seus amigos ao ponto de pedir para conversarem com ele sobre problemas que tenham. É coreano.
ChanYeol. 19 anos. É um rapaz muito animado e tende sempre a puxar todos para o seu ‘’lado’’ tornando um cenário desconfortável em sorrisos e diversão. É bastante otimista e livre. É honesto, porém capaz de mentir se se vir forçado a fazê-lo. É irresponsável e procura a verdade, o porquê de tudo, acabando por ser curioso. Gosta de adrenalina e conversas divertidas, para além de conversas ao lado de uma fogueira; rappar. Não gosta de ver confusões, muita proximidade pois não é muito confiante e lágrimas. Toca guitarra e bateria. É coreano.
Hiro Matsumoto.(Miguel) 20 anos. É muito divertido e engraçado quando está com as pessoas que mais ama, mas tende a ser frio, quieto e calmo quando está com pessoas que não conhece por perto. Dificilmente confia nas pessoas, mas quando o faz, apega-se imenso a elas. Quando está triste, costuma querer estar sozinho e fala "mal" com as pessoas que o chatearem quando está assim. Apesar de tudo isto, ele é muito teimoso, extremamente tímido com o sexo oposto e demasiado sentimental com as pessoas que ama. Adora desenhar para expressar os seus sentimentos e de fazer Downhill (desporto onde se anda de bicicleta nos matos; florestas; montanhas) .Gosta de desenhar para expressar os seus sentimentos e praticar DownHill principalmente quando está a ter muitos problemas na vida dele. Não gosta de acordar cedo, pessoas convencidas e de cantar. Tem dupla nacionalidade (Italiano-Japonês). Nasceu em Itália mas vivia no Japão com a família, sendo natural de Itália e tendo antepassados japoneses. Irmão de Kai.

Taylor. Tem sensivelmente a mesma idade que Emm, sendo assim seu amigo. É muito autoritário e sente sempre que alguém tenta entrar no ‘’seu território’’. Por outro lado é protetor e divertido. Sabe conduzir e já trabalha.
BaekHyun. Tem 19 anos. É persistente, não desistindo facilmente do que gosta, e determinado, sabe sempre o que fazer em situações difíceis. É seguro de si mesmo, por vezes mostra o seu pior lado de pessimista. É possessivo e resistente. Gosta de se sentir seguro e de apreciar as paisagens, tanto naturais como humanas. Não gosta de guerras, cenários desconfortáveis ou até mesmo discussões. Toca piano e pratica Hapkido nos seus tempos livres. É coreano.
Choi Seung Hyun (TOP). Figurante
Alexander. É um menino de 10 anos que está metido num grande sarilho. É esperto e muito sorridente. Também por vezes muito chato e parvo. Gosta de comer e de mentir. Não gosta de ser tratado por criança e odeia BaekHyun.


2º Capítulo – Uma atitude Infantil
‘’Segundo o meu passado, devo viver o futuro, e segundo o presente devo esquecer o futuro. Mas ensinaram-me a deixar o passado para trás, e viver o momento presente. Então, esperarei pelo futuro de amanhã, até que me torne maturo o suficiente para encarar a vida como deve ser, sem esperar que nada comece ou chegue ao fim.’’ – Huang Zi Tao

Olá novamente! Já chegaram? Boa! Vou relembrar-vos onde parámos, caso não se lembrem…é claro!
Bem, estávamos a falar do SuHo, mas antes disso…deixámos uma conversa a meio…
XiuMin: É…mas nós também não temos grande moral para falar… estamos tramados Chen~ - disse olhando-o nervoso.
Chen: Disso sei eu, e quando isto chegar ao fim, seremos como lixo… - baixou os olhos
XiuMin: É sempre assim, o herói nunca é o que faz o ato mas sim aquele que diz que passou por tempestades e terrores quando nunca sequer saiu de casa. – suspirou e manteve o olhar preocupado.
Chen: Concordo…
Unf, este ambiente deixa-me deprimida, o SuHo está à nossa espera.
SuHo estava sentado à frente de um aquário. Olhava para a água. Estava numa loja de animais. Em Seul.
Homem: Já escolheu cavalheiro?
SuHo: Hum? – Olhou para o homem que apontava para o aquário onde SuHo brincava, olhou para o aquário – Ah, hum…não. Acho que não vou levar, mas obrigado na mesma.
Saiu da loja. Olhou à volta antes de pegar no telemóvel.
SuHo: Unf, que problemáticos! Basta não estar atento durante um pouco e já me dão problemas!
Kate a pensar: Hum, esquerda, direita?
SuHo olhou para a rapariga, riu-se.
SuHo: Estás perdida?
Kate olhou para SuHo. Estava com uma t-shirt cinzenta, e por cima disso trazia uma casaco preto com as mangas até ao fim do antebraço. Trazia também umas leggings pretas e por cima uns calções de ganga. Para finalizar, tinha nos pés uns ténis pretos e confortáveis e no pulso, uma pulseira fininha preta.
Kate: Não. Sei onde estou! Obrigada.
SuHo desatou a rir.
SuHo: Se estás à procura de algum edifício consulta ali aquela loja. – Aponta para uma loja ao fundo da rua.
Kate: Hum…
SuHo voltou a tomar atenção ao seu telemóvel. Enquanto isso, Kate ia-se afastando tentando que ele não visse que ela tomava a direção que ele lhe tinha indicado.
SuHo tomava tanta atenção às mensagens que estava a ler, que nem deu de conta, que quem procurava passou mesmo à frente dos seus olhos. Tanya havia passado mesmo por baixo do seu nariz. SuHo nem tinha visto. Era uma rapariga baixinha.
Tanya estava vestida de preto, cor normal. Era normal para ela apenas usar preto. Preto e cores escuras, era só isso que usava normalmente. Usava vestidos, não tinha paciência para estar a vestir calças e t-shirts e tudo mais. Os vestidos eram mais simples de vestir e eram apenas uma peça.
Era fantástico o número de mensagens que ele tinha recebido. Olhei para o telemóvel dele, tinha acho que vinte mensagens, sem contar com as que já tinha aberto.
SuHo põe o telemóvel no bolso. E olha para os lados. Tinha recebido uma mensagem suspeita!
De desconhecido: Já passei por ti, andas à minha procura e não me viste?
SuHo estava desconfiado, porquê só depois de dois anos é que começaram a aparecer? Olhou à sua volta mas não tinha visto ninguém pelo que baixou o telemóvel para olhar mais atentamente.
Voltou a levantar o telemóvel, queria ver se alguém tinha encontrado quem procuravam.
Tinha a mensagem de Tao.
De Tao: Já o tenho, vou manter-me ‘’colado’’ a ele. Espero ordens.
Tao não era daqueles que acatavam ordens facilmente, mas isso tinha mudado com o tempo.
A vontade de Tao era mesmo exterminá-lo ali. SuHo continuou a ver as mensagens, mais ninguém tinha respondido. Ou seja, começaram a sair de casa quem eles temiam. Agora estavam a espalhar-se.
De desconhecido: Vá lá~ não deve ser tão difícil encontrar-me.
Tanya estava a tirar a paciência de SuHo. Porque saberia ela a identidade dele e ele nem se tinha apercebido dela?
De repente algo fez um clique na cabeça de SuHo. Seria a rapariga que se tinha escapado, que estava supostamente perdida…quem ele procurava?
Era uma opção. Voltou a guardar o telemóvel e correu na direção que tinha indicado à rapariga de há pouco.
Mas eu sabia que não era dela que ele estava à procura. De qualquer das maneiras ele não sabia disso por isso, continuava à procura dela pelas ruas todas.
Kate já estava habituada a que a seguissem. Claro que já, visto que já tinha participado em vários programas e era praticamente ‘’famosa’’ era essa a razão de estar na Coreia e não em Inglaterra, o seu país natal.
Por algum motivo, ela descansava, sentada numa esplanada, com uns óculos de sol na cara. Estava descontraída e sorridente.
Empregado: Vai desejar algo?
Kate: Não, estou bem, obrigado.
Aquela brisa que passava de vez em quando sabia bem, como era verão nem incomodava, estava tanto calor que só apetecia pôr-se debaixo do chuveiro e ficar por ali.
Kate: O que queres? – perguntou meia assustada.
SuHo: És tu!
Kate: Eu o quê? – ficava completamente aparvalhada à medida que SuHo lhe acusava.
SuHo: Das duas uma, ou és tu e és muito boa atriz. Ou então não és tu…
Kate: Deves estar a confundir-me com alguém porque eu nem sequer te conheço…
SuHo: É…deve ser confusão. Mianhae.
Kate: Não tem mal… acho eu.
SuHo tinha recebido novamente uma mensagem.
De desconhecido: Ainda não foi desta? Ups~ Vá lá~ Encontra-me, não é assim tão difícil, vou dar-te uma pista…sou uma mulher.
Oh, isso ajudava muito! Haviam tantas mulheres na rua…
De Lay: Hyung, o MinSeok confirmou, quando te aproximas da pessoa sentes mais forte.
Aquilo podia ajudar, mas naquele momento não servia de nada. Já era certo que ? não era por quem ele procurava. Mas, se era verdade que a mulher tinha passado por ele, como pode ser isso? Ele não sentiu nada. Ou talvez estivesse tão distraído que não se apercebeu.
Tanya decidiu voltar a passar por SuHo. SuHo sentiu como que um remoinho levantar-se dentro de si, perto do fígado. Os pulmões dele precisavam de mais ar do que o habitual, nunca se tinha sentido assim era como se sufocasse se não puxasse mais ar para dentro de si.
Começou a olhar à volta, mas havia tanta gente na rua…como iria ele saber qual delas era quem procurava?
Tanya estava a provoca-lo. Aliás como sempre faz. Mas meteu piada até porque ela passava perto dele e ele sentia o remoinho, mas depois afastava-se e ele deixava de o sentir, por isso começava a correr para qualquer lado. Era como gato e rato. Só que versão cabra-cega.
Enquanto SuHo ‘’brincava’’ com Tanya às escondidas, na América passeava ChanYeol. ChanYeol vagueava por perto de Peru. Não vagueava, andava por lá a explorar. Passou por Machu Picchu, lá encontrou uma rapariga sentada no meio daquilo tudo. Correu para ela.
ChanYeol: Quem és?
Vitória: A prenda dos Deuses.
Vitória tinha um traje mexicano, era um vestido castanho que tinha flores sobre o peito e no fim do mesmo também. O traje não tinha mangas. Nos seus pulsos pousavam pulseiras, uma em cada um. No pescoço estava um colar também castanho. O cabelo dela, também castanho, estava apanhado numa trança e a cara dela estava serena. Não tinha sapatos, os pés e as pernas estavam nus. Ela estava sentada em cima das pernas com as mãos juntas.
ChanYeol: O quê?
Vitória: Sim, a oferenda.
ChanYeol: hum? Vais ficar aí à espera?
Vitória: É a tradição do meu povo, é assim. Sou a oferenda.
ChanYeol: E porque não foges?
Vitória: Porque deixei tudo feito, e fui escolhida pelo povo. Para além disso sou jovem, isso deixa os Deuses satisfeitos, não têm de oferecer mais nada este ano.
ChanYeol começou a puxar Vitória, sentia pena dela.
Vitória: Não! Deixa-me! – ripostava à medida que ele a fazia sair do lugar.
ChanYeol: Estás louca! – continuava a puxar-lhe o braço tentando tirá-la dali.
Vitória: Não! É o meu destino… - começou a chorar.
ChanYeol: Não é o teu destino, podes viver!
Vitória: Já vivi tudo o que tinha a viver – abre os braços para o céu, com as gotas a escorrerem-lhe pelas faces abaixo – é aqui onde pertenço. É aqui que devo ficar. É aqui que tudo deve acabar, com a presença dos Deuses.
ChanYeol: Vamos a acabar com a palhaçada, não vais morrer.
Surge um pequeno povo por detrás dos restos de templo que sobrava. Os pés deles também estavam todos descalços, tocavam na relva fresca que o sol iluminava. A brisa passava por ali, visto que estavam num sítio alto. Todos eles se aproximaram do centro, onde Vitória ainda estava de joelhos.
Povo: Atreves-te a chamar palhaçada à nossa tradição?
ChanYeol: Sim, quem é o pai dela? – perguntou muito desinteressado com a conversa.
Velhinho: Não existe mais, foi a nossa última oferta. Por isso, ela deve ser a oferta seguinte.
ChanYeol: Não existe ninguém na família dela?
Velhinho: Não.
ChanYeol: Então… eu não vou deixar ela ir. Passa a fazer parte da minha família.
Velhinho: Serás tu então a nossa oferta aos Deuses!
ChanYeol: Se Deus quiser uma fénix – começa a rir-se – se me aceitarem.
Velhinho com o queixo caído e com os olhos arregalados: É ELE!
ChanYeol mostra um sorriso travesso apenas do lado esquerdo da cara.
Vitória: Não pode!
ChanYeol: Acredita que sou.
Velhinho a fazer uma vénia: Perdoe-nos! Perdoe-nos! Não nos mate a todos!
ChanYeol: Se fosse outro, a esta altura já nem ruínas existiam. – abriu a mão e surgiu fogo em cima da mesma – mas…vou deixar-vos ir. – Fechou a mão - Não quero que atormentem mais a minha família. Mais nenhum deles vai ser oferta dos Deuses! Ouviram-me? – todo o povo acenou com a cabeça - Agora vão!
Em menos de um instante, desapareceu todo o povo, todo, menos Vitória.
Vitória fez uma vénia.
Vitória: Gracias.
ChanYeol começou a rir-se cada vez mais: Também acreditaste? Devo ser mesmo um bom ator. – Gabou-se.
Vitória: O quê? Não és o que os Deuses mandam para fazer justiça?
ChanYeol: Bem, se o pões nesses termos talvez eu seja o mensageiro de Lucifer.
Vitória: Como assim?
ChanYeol notou que tinha falado de mais.
ChanYeol a tentar disfarçar: B-bem, não leves tudo o que eu digo para o sério…
Vitória: Mas como… como é que fizeste aquilo do fogo?
ChanYeol com a voz a tremer: O meu pai é m-mágico.
Vitória: Que giro!
ChanYeol: Bem…eu tenho…que ir! Adeus.
Vitória: Posso ir contigo? Não tenho para onde ir agora… - fez beicinho e sentou-se aos pés dele.
ChanYeol refletiu durante uns momentos, mas a resposta seria negativa. Ela não tinha nada a ver com os assuntos de ChanYeol, nem SuHo o ia permitir. Em seguida falou a consciência de ChanYeol, não a ia deixar só, ali no meio do nada. Estava tudo destruído. O coração de ChanYeol era demasiado grande para o fazer, pesava só de pensar. Depois de muito refletir suspirou. Vitória ainda estava de joelhos, como ia ele negar-lhe aquilo? Ela estava num estado lastimoso, no meio do nada…
ChanYeol: Bem… eu… tu podes vir, mas… assim que encontre onde te deixar em segurança vais lá ficar, ouviste?
Vitória levantou-se, assentiu três, quatro, cinco vezes com a cabeça, sorriu e por fim, abraçou ChanYeol.
Este suspirou. Estava metido numa grande embrulhada, devia de ter caminhado logo que viu que não era quem procurava, mas mais uma vez, decidiu ouvir o coração. Não é das atitudes mais inteligentes que podia ter tomado. Estava feito ao bife.
ChanYeol começou a andar e Vitória foi logo atrás. Agora, este tinha um problema, Vitória não era como ele. Teria de efetuar mais paragens e gastar mais dinheiro.
Vitória: Já agora… posso saber…o teu nome?
ChanYeol: Park ChanYeol.
Vitória: Tens dois nomes? Eu só tenho um, sou a Vitória. Não leves a mal mas…o teu nome é estranho!
ChanYeol: O teu também. Deve ser porque nascemos em sítios opostos.
Vitória: Nasceste onde?
ChanYeol: Seul.
Vitória: Onde fica isso?
ChanYeol: Coreia do Sul.
Vitória: Nunca lá fui!
ChanYeol: Importas-te de te calar um bocadinho? – Perguntou num tom agressivo quase a gritar. - Quero pensar. – Acrescentou já mais suavemente.
Vitória: Ah, desculpa… - Baixou os olhos um pouco envergonhada por não se ter calado.
Andaram durante um bocado, ambos calados.
ChanYeol: Mianhae.
Vitória: huh?
ChanYeol: Desculpa, esqueci-me que não percebes coreano, disse desculpa.
Vitória: Ah, okay. Porquê?
ChanYeol: Fui bruto ainda há bocado, estava só a pensar onde parar para te deixar.
Vitória: Okay~ diz lá outra vez a palavra~ mete piada!
ChanYeol: mian-ha-e
Vitória: minha-e?
ChanYeol: Ani! Mian-hae
Vitória: O que é ani?
ChanYeol: Ah esquece, não chegas lá assim… Já agora, conheço um sítio onde te posso deixar. Só tens de te habituar a viver ao ritmo deles…
Passou um helicóptero. Nesse helicóptero estava Taylor, um rapaz loiro, alto, que adorava fazer confusão. Avistou os dois de lá de cima.
Taylor: Mordomo, largue as bombas.
Assim o fez, o homem vestido de preto e notavelmente mais velho, abriu a porta do helicóptero e largou explosivos. Enquanto isso, lá em baixo falavam calmamente, até o primeiro explosivo rebentar. Isso fez ChanYeol assustar-se. Bem, que grande salto que ele mandou, olhava para todos os lados, quando viu o helicóptero percebeu que era dele que vinham «as prendinhas».
ChanYeol começou a correr e a puxar a mão de Vitória que não estava a perceber nada.
ChanYeol: É a isso que queres brincar? É não é? Então vais gostar disto! – Sussurrou.
ChanYeol estalou os dedos, vi uma faísca a chegar perto do helicóptero. Em seguida houve qualquer problema no helicóptero, o motor deixou de funcionar. E no momento seguinte, havia fogo no mesmo.
ChanYeol ria-se lá em baixo. Vitória estava assustada.
Ele puxava a mão dela enquanto corriam, mas ela estava demasiado assustada por isso tropeçava nos próprios pés.
ChanYeol: Assim nem para o ano escapamos! Corre logo pá! A menos que queiras ficar aqui no sítio onde ele se vai despenhar…
Claro que as notícias chegaram rapidamente a SuHo, este não gostou muito da brincadeira. ChanYeol pedia desculpas ao mesmo pelo telemóvel.
ChanYeol ao telemóvel: Mianhae hyung! A culpa não foi minha!
SuHo do outro lado: Dongsaeng, já tens idade mais do que suficiente para saber que isso são riscos muito grandes! Estás a expor-nos ao inimigo, para além disso tiveste público!
ChanYeol ao telemóvel: Mianhae hyung…
SuHo do outro lado: Não é a mim que tens de pedir desculpa, e agora? Sai daí rapidamente, deixa a rapariga aí e vem para cá. Vou pedir a alguém que se desloque, já vi que tens de ter companhia para não nos expores novamente.
A chamada caiu.
ChanYeol chutou uma pedra: Ah, não é justo! Unf, sempre a mesma coisa! E eu… é que tenho culpa!
Vitória estava sentada numa pedra.
ChanYeol: Olha, vou-te deixar em Nova Iorque, orientas-te lá?
Vitória: Tem montes de florestas e lagos não têm?
ChanYeol: Não propriamente…
Vitória: Então?
ChanYeol: Tem muitos prédios… e barulho, poluição, luzes, barcos, carros…sei lá…tanta coisa…
Vitória: Então não quero!
Enquanto eles discutiam, do outro lado do mundo, no Japão, ainda havia quem cantasse.
Tsubaki: Koe wo kikasete~ (=quero ouvir a tua voz) (música dos Big Bang para quem quiser ouvir~)
Yamamoto ao desligar o rádio: Chega, não te posso ouvir mais cantar…
Tsubaki: Mas eu gosto tanto da música…
Yamamoto: Pois, mas já chega, é início de ano e vou ter de ouvir muita cantoria por tua parte. Para além disso já estás atrasada para o programa de início de ano!
Tsubaki aborrecida com a conversa de Yamamoto: Yama-kun, quero dormir~
Yamamoto: Mas não vais poder dormir, tens trabalho a fazer
Tsubaki a bocejar e espreguiçar-se já quase a fechar os olhos: hã hã.
Ela fechara os olhos e encostara a cabeça ao banco do carro. Não era muito confortável dormir ali, mas era melhor do que nada. Para além disso, ainda tinha uma longa noite pela frente. O programa de ano novo e em seguida tinha uma entrevista. Ainda para mais com a roupa quentinha que trazia vestida, eram umas calças de ganga azuis clarinhas, rasgadas na coxa, mas apenas na esquerda e nos joelhos nas duas. Tinha também uma camisa quentinha cinzenta que deixava ambos os ombros à mostra, tendo um top castanho por baixo. As unhas estavam pintadas de azul e branco. Tinha uns ténis bota castanhos com pelos por dentro, fazendo com que o pé aquecesse e assim ela adormecesse.
Dormiu cerca de uma ou duas horas, já estava a amanhecer quando ela estava a ser acordada por Yamamoto.
Tsubaki: Só mais…cinco minutos – dizia ao virar-se para o outro lado do carro, o lado onde a porta estava fechada e ainda estava quentinho.
Yamamoto: Tsubaki-san, não temos tempo, vá hayaku (rápido/despacha-te)! Kasugano!
Tsubaki acordou.
Tsubaki: Já disse que não gosto que me chamem Kasugano! Tsubaki desu!!
Yamamoto: Hai hai, agora sai do carro vá! Hayaku!
Tsubaki a levantar-se do banco do carro: Hai hai oto-san. (pai)
Deu meia volta e reparou que estava num parque de estacionamento.
Tsubaki: Que sono, oto-san~ leva-me ao colo… onegai shimasu (por favor)
Não estava à espera, mas depois de Yamamoto trancar o carro, levou realmente Tsubaki ao colo até à entrada.
Quando entraram no elevador, ele pousou-a.
Yamamoto: Deves estar minimamente apresentável. Vá hayaku!– Puxou para baixo a camisa, de maneira a deixá-la direita e menos amarrotada para não dar ar de ter saído de uma luta.
Ele pega numa garrafa de água e atira-lhe um pouco à cara.
Tsubaki solta um sonzinho: Para que foi isso? – Coça a cabeça com os olhos arregalados.
Yamamoto: Acorda de uma vez.
O elevador parou.
Yamamoto:
Chegámos. Vá, para o camarote! – Empurrou-a para uma das salas que estavam naquele piso. – Vou falar com os apresentadores.
Tsubaki estava entregue a profissionais.
Mulher: bem, agora toma este vestido! Vai-te vestir rápido para te maquilharmos, entramos no ar daqui a meia hora!
Tsubaki tentou obedecer às ordens da mulher, mas estava tão cheia de sono que foi contra o espelho.
Olhou para ele.
Tsubaki: Ups desculpe senhor- espera…sou eu que estou aqui… olha, estou a falar para o espelho…
Largou o vestido, deixando-o em cima de uma cadeira, deu duas palmadinhas nas bochechas de modo a acordar. Espreguiçou-se. E fez ‘’gambatte pose’’, ou seja pôs o braço direito à frente com o punho fechado, encheu as bochechas de ar e abanou a cabeça.
Agora sim estava acordada. Pegou no vestido e depois de tirar as calças e a camisa que tinha vestidas, vestiu-o.
Saiu da casa de banho.
Mulher: Estás linda!
Tsubaki: Arigatou one-san~ (é como que uma irmã mais velha)
A mulher sorri para ela.
Mulher: Vamos, agora os maquilhadores! Rápido! Temos 20 minutos!
Apareceu uma equipa, constituída por três homens. Um encarregou-se da cara dela, outro do cabelo e o terceiro ficou de procurar acessórios. Apareceu também uma rapariga que começou a tratar das unhas de Tsubaki.
Dez minutos depois, Tsubaki estava pronta. Vestida, maquilhada, penteada e até as suas unhas estavam arranjadas.
Homem: Espera espera! Esta pulseira fica bem! – Pôs-lhe uma pulseira simples que dava cinco voltas ao pulso dela.
Mulher: estás cinco estrelas. Agora deves ir ter com os outros. Gambatte Tsubaki-san! (Gambatte tanto pode significar boa sorte como esforça-te, dependendo da frase)
Tsubaki sorriu e abriu a porta.
Andavam tantas celebridades por perto! Haviam os mais variados modelos de telemóveis espalhados pelos corredores. Tsubaki era a única que ainda não tinha aparecido em nenhum programa, pelo que o nervosismo se apoderava dela.
Tsubaki sente uma mão pousar no seu ombro. Arrepia-se toda e assusta-se.
SeungHyun: Tsubaki-san?
Tsubaki: Ha-ha-hajimemashi-te-te-te… - disse ela com a voz a tremer.
SeungHyun riu-se.
SeungHyun: Descontrai rapariga, é simples. Só tens de te sentar num banco e quando solicitada para falar, falas… é como se estivesses na escola.
Tsubaki suspirou: Arigatou…
SeungHyun: Então? Já agora, ouvi falar muito de ti.
Tsubaki: Hontou? (a sério)
SeungHyun assentiu: Hai, és muito falada, ultimamente acho que a YG está a ficar para trás, para tu veres a tua popularidade.
Tsubaki ficou radiante: hehehe ainda bem!
SeungHyun: Deves fazer o teu début brevemente não é? Quero dizer, na Coreia.
Tsubaki encolheu os ombros: Não sei, talvez não o faça…
SeungHyun: Porquê?
Tsubaki: Ora, não sei…
SeungHyun voltou a rir-se.
O cameramen olhou em direção aos artistas.
Cameramen: Estamos no ar dentro de 10, 9, 8….
SeungHyun: Corre! És a primeira a entrar! Gambatte!
Tsubaki começou a correr. Entrou num espaço fechado. Sentia o corpo todo a tremer.
Cameramen: 2, 1. Estamos no ar.
Apresentador: Bem-vindos. Feliz ano novo telespetadores! Hoje temos uma surpresa para vocês! Kasugano Tsubaki, a mais recente pop star!
Tsubaki acenou para as câmaras e sorriu. Um dos cameramen caiu.
Apresentador: Tivemos um pequeno contratempo, voltamos em seguida.
As câmaras apagaram-se.
Apresentador: O que se passou?
Cameramen: Desculpe, foi um erro meu.
Enquanto isso, o programa era assistido por milhares de pessoas. Através da TV, rádio, computador…
Duas das pessoas que viam isso estavam sentadas à frente de computador em Itália.
XiuMin: Outra?
Chen: Queres o quê? Vai ser como todos os outros, um fiasco.
Robert aparece na sala: Filho, vou agora.
XiuMin: Sim pai. Ciao (olá/adeus em italiano).
Robert a gritar: Al!
Alexys surgiu na sala.
Alexys: O que foi?
Robert: Vou embora.
Alexys: okay. – Olhou para o computador – OMG! É a Tsubaki~
XiuMin e Chen olham para ela: Conheces?
Alexys: Sim. Duh~ Eu conheço todos os famosos~
XiuMin: Estou a falar pessoalmente…
Alexys: E ninguém disse que estava a dizer que não a conhecia pessoalmente.
Chen: Ai sim?
Alexys: Yap yap, ela já cá esteve~. Foi o verão passado. Quando houve intercâmbio. Acho que ela aproveitou para visitar o país. Conheci-a no coliseum~. Então ela sempre conseguiu…
XiuMin: Mas ela é japonesa…
Alexys: Sabes que se pode falar inglês não é?
Chen: 1-0.
Algures perto do Coliseu, também havia quem tentasse fugir. Fugir das rotinas aborrecidas que se faziam ali. Sempre a mesma coisa, nunca acontecia nada de novo. Era alguém que não gostava de cantorias nem de agitação. Alguém que procurava um sítio onde pudesse estar só, sem que o chateassem. Estava acompanhado, por isso estava a tentar fugir.
Um deles era imigrante. O outro era natural de lá, apesar de não ser completamente italiano, descendia de japoneses e coreanos. Ou seja, mãe japonesa e pai coreano. Esse, tinha uma camisa com o padrão de quadrados, algumas linhas eram assim para o castanho e haviam retângulos e quadrados brancos. Tinha umas calças de ganga simples e uns ténis pretos. O imigrante tinha um look semelhante, só que os quadrados da camisa eram mais pequenos e as cores da camisa variavam entre o amarelo e o preto. As calças eram mais clarinhas e ele andava de chinelos.
De qualquer das maneiras, ele estava a tentar escapar do imigrante que estava mesmo atrás dele.
DaeWoo: Hiro~ Vamos dar uma volta~
Hiro: DaeWoo, vai tu dar uma volta! Não tou com paciência para isso hoje.
DaeWoo: Oh, sempre a mesma coisa. Vais onde?
Hiro: Dar uma volta! – Põe-se em cima da bicicleta.
DaeWoo: Também quero ir~
Hiro: Então vai, mas vai para longe, quero estar sozinho.
Hiro começou a pedalar. Na verdade, só pedalou à volta do Coliseu. Não queria que DaeWoo o seguisse. Por isso mesmo. Saiu da bicicleta e ficou a olhar para DaeWoo que tinha começado a andar, completamente frustrado.
Entrou por um dos arcos gigantescos, um pouco mais à frente haviam mais, e mais e mais, até chegar ao interior. Hiro estava surpreendido com a grandeza de tudo aquilo. Era a primeira vez que tinha entrado ali dentro. Era tudo diferente. Era diferente do que era descrito, ou até visto nas fotos. Era como se desse medo de lá entrar, mas ao mesmo tempo um enorme prazer. Olhou à sua volta, estava tudo destruído pelo tempo, segundo factos históricos tinha sido concluída a obra, fantástico como aqueles simples blocos tinham conseguido sobreviver ao tempo. Claro que estava bem conservado.
Tinha pequenas vegetações perto das pedras, e uma incrível vista do céu aberto, ali pelo menos não se observava tanta poluição como normalmente se via na cidade.
Stephany: Vejo que finalmente decidiste aparecer.
Hiro olhou confuso à volta, e deparou-se com uma mulher sentada num dos telhados que não tinham buracos. Ainda há pouco não estava ali, e assim de repente aparece, do nada?
Stephany saltou lá para baixo.
Stephany: Não tenhas medo.
Hiro estava boquiaberto.
Hiro: Quem és?
Stephany: Ora ora… talvez seja por quem esperas, ou talvez não.
Hiro começou a recuar até que foi contra um dos pilares.
Stephany: Calma calma, eu só quero o que tu tens contigo~
Hiro: Se depender de mim nunca o terás!
Stephany: Não te finjas de valente, estas a tremer mais do que varas verdes.
Ele desviou-se dos pilares e continuou a recuar cautelosamente, sem a perder de vista. Conseguiu chegar à saída.
DaeWoo: Hiro! Afinal estavas aí! Andei à tua procura e não te encontrei.
Hiro continuava parvo com o que tinha visto, o que queria ela afinal?
DaeWoo: Hello? Hiro? Estás a ouvir-me? – Passou a mão à frente da cara dele.
Hiro acordou: Sim sim sim sim…
DaeWoo: Boa boa! Então, o que aconteceu para estares com essa cara?
Hiro: Nada…
DaeWoo: Vamos entrar no coliseu~ - começou a puxar Hiro.
Entraram, novamente. Mas, agora não estava lá a mulher, tinha desaparecido.
DaeWoo: Meu, isto é gigantesco! Tanta pedra! – Começa a tocar nos pilares.
Hiro: Não te armes em esperto…ainda te cai isso em cima.
DaeWoo: Não cai nada! – Continua a bater nos pilares.
Stephany voltou a aparecer, começou a empurrar o pilar.
Hiro: Cuidado! – Empurra DaeWoo para um dos lados.
DaeWoo quando vê que aquilo tinha caído: Porreiro! Sou mesmo forte!
Hiro puxa DaeWoo para fora do coliseu, este estava a bater em cada pedra que encontrava.
Hiro: Não voltes a entrar ali dentro, para teu bem.
DaeWoo: Oh, estás preocupado comigo!
Hiro: Longe disso! – Procura a bicicleta, quando a encontra sobe para ela – Ciao.
Estava a escurecer rapidamente, mas isso não importava, Hiro continuava a pedalar por entre as ruas de Roma. Ia a descer a rua, enquanto isso, Chen e XiuMin conversavam, subiam a rua. Olhavam para baixo, mas de repente decidiram ambos olhar em frente, passaram por Hiro. Pareceu estarem em slow motion.
Chen: É ele XiuMin!
XiuMin confuso a olhar para todos os lados: Ele quem?
Chen: O irmão do Kai!
XiuMin: Como raio sabes?
Chen: Pela descrição que ele nos fez ainda há bocado!
XiuMin pegou no telemóvel, enquanto isso, Chen começou a correr atrás de Hiro.
Chen: Hey Hiro! Hiro!! Anda cá Hiro!
XiuMin ao telemóvel: Kai, encontrámo-lo.
Kai do outro lado: Ótimo, mantenham-no debaixo de olho enquanto aí estiverem, não o deixem sair. Ela deve andar por perto.
XiuMin ao telemóvel: Recebido.
XiuMin guardou o telemóvel e parou ao pé de Chen: vamos, temos de o apanhar.
Chen e XiuMin começaram a correr, mas logo viram que não iam apanhá-lo, a menos que corressem que nem uns doidos varridos, por isso apanharam bicicletas pelo caminho.
Chen: Já as devolvemos, olhe senhor tome dinheiro!
O homem começou a reclamar, mas isso não os travou.
XiuMin: Sabes andar?
Chen: Claro que não!
XiuMin: Nem eu…
Chen: Olha põe-te em cima dela e seja o que Deus quiser!
XiuMin: É a melhor opção.
Chen e XiuMin tentaram a sua sorte com as bicicletas, iam a descer a rua a gritar ‘’cuidado’’ e ‘’afastem-se’’ quando viam alguém no caminho deles, foi brutal. Claro que ao chegarem ao fim da rua caíram no chão. Hiro ficou a olhar para eles.
Hiro: Afinal querem o quê?
Chen ao levantar-se: Nós, sabes o teu irmão disse para te acompanharmos.
Hiro começou a desconfiar, havia algo estranho muito estranho e muito mal explicado! De um momento para o outro o Kai volta a preocupar-se com a família? Uma mulher diz que ele tem algo que ela quer? Estranho, muito estranho. E depois, dois rapazes que afirmam conhecer o seu irmão, estavam atrás dele.
XiuMin: Vou levar as bicicletas de volta~ fica aí com o rapaz.
De volta à América, ChanYeol já tinha sido substituído. BaekHyun, agora tomava o seu lugar. Isto ia melhorar, segundo SuHo não iam ter tantos problemas porque estavam mais próximos. Não era grande diferença. Era praticamente a mesma coisa. Não fazia diferença nenhuma, ou talvez até fazia. Não sei.
Mas depois percebi o que SuHo estava a tentar fazer, estava a tentar trazer para perto dele os mais perigosos, pelo menos foi o que me pareceu. Ao início é claro.
BaekHyun andava por ali por perto. Quando estava a anoitecer, abrigava-se acho que não se orientava bem sem a luz do sol. Uma das razões para nunca sair de casa depois de anoitecer, se o fizesse era sempre na companhia do grupo.
BaekHyun estava habituado à solidão, só que tinha escolhido o sítio errado para se abrigar. Sentou-se num jardim.
Saiu de uma das janelas um sapato.
Sr. Saywer: Sai daqui seu vândalo!
BaekHyun começou a correr. Que má pontaria.
Mas o mais fascinante é o Sr. Saywer saber que havia alguém ali no jardim.
BaekHyun abrigou-se noutro local, perto de uma praia.
Ficou a apreciar o mar. Era Inverno naquela parte do mundo. Que pena, assim fazia frio na praia. De qualquer das maneiras nem era assim tão mau. Até porque a temperatura nem era assim tão baixa, ele aquecia-se a si mesmo.
Adormeceu embalado pela canção da brisa e do mar, combinados faziam um concerto fantástico.
A lua já ia alta, era perto da meia-noite. BaekHyun acordou. Estava mesmo a amanhecer, muito perto disso. Os surfistas deviam estar a vir para a praia.
Levantou-se, foi procurar algo que ainda estivesse aberto, estava com fome.
Ali ainda era dia de ano novo, na China já era dia 2 de Janeiro, já corriam crianças pela rua, à procura dos pais. Visto que ainda estavam todos num espírito de festa.
Ao contrário de Charmaine, Kai e LuHan que estavam sérios e decididos a encontrar as pessoas que restavam.
Charmaine: Vocês também vão participar?
Kai: Em princípio, mas quem vais contracenar?
Charmaine: Cleópatra. Pelo que parece… Júlio César será o meu marido. Estou para ver quem vai ser ele.
LuHan: Mas…ele ainda não escreveu tudo…
Charmaine: Não escreveu tudo, mas a parte onde eu entro já estava escrita, caso contrário não tinha aceite o trabalho, o Sr. Saywer sabe muito bem como trabalha a minha família. O meu mestre já andava a falar com ele há algum tempo e andaram a combinar mais ou menos as coisas. Não sei como vão encaixar a minha parte no resto do filme…
Kai: Só para saber, é sobre quê a tua parte?
Charmaine: Não faço ideia, ainda não tive tempo para a ler. Só a trouxe comigo… só sei que vai ter lugar no Egipto. Enfim… em breve vão fazer audições, penso.
LuHan: O SeHun deve estar neste momento a saltar de alegria, se a mensagem já chegou a eles…
Kai: Pois é.
Charmaine: Mas vocês ainda não me explicaram o que é que são…
LuHan: Bem, somos uma espécie de guarda-costas.
Charmaine: A sério? Então, quem protegem?
Kai: Neste momento não estamos a proteger ninguém, estamos ‘’numa missão’’.
Charmaine: Que missão?
LuHan suspira: Bem, estamos à procura de uns infratores. É isso.
Charmaine: Ah, estou a ver… sabem quem vão convidar para entrar?
Kai: Não… não estamos a par disso.
Charmaine: Hum, estou a ver. Acho que vão convidar uns rapazes que têm dado que falar, sabem aquela explosão que houve na América ontem? Perto de Macho Picchu? O rapaz sobrevivente, como atraiu muito a atenção, vai participar~
LuHan: Como raio sabes disso?
Charmaine: Tenho os meus meios.
Kai: Surpreendente…
LuHan sussurra para Kai: Temos de ter cuidado com ela…
Kai sussurra para LuHan: Leste-me os pensamentos, ela sabe de mais.
LuHan: Não só sabe de mais como está envolvida.
Charmaine: Hum?
Kai a sussurrar: Mais cuidado quando falas alto LuHan…
LuHan: Estava a dizer que temos uma amiga nossa envolvida nuns assuntos.
Charmaine: Estou a ver.
Não havia nada interessante para fazer, e o tempo voava. Sr. Saywer estava novamente debruçado sobre o seu novo projeto.
Sr. Saywer: Vais participar não vais?
Emmeline: Nem por isso, não gosto de muita agitação. Eu depois digo-te como ficou, faço apreciação geral se quiseres.
Sr. Saywer: Nem um papel pequenino?
Emmeline: Logo vejo. Precisas de ajuda com mais alguma coisa ou posso ir para a praia?
Sr. Saywer: Depois, mais logo vou precisar de alguma ajuda com as personagens. E quando a história estiver terminada também. Por isso por hoje podes ir descansar.
Emmeline: Okay~ Thanks pai~ - beijou a face do pai antes de seguir até ao seu quarto para ir tudo o que era preciso.
Pegou na sua mala, onde tinha tudo o que era preciso, pegou nas chaves, telemóvel e carteira e saiu de casa.
Pôs as chaves no bolso das calças.
Taylor esperava-a no carro dele.
Abriu a porta.
Taylor: Tens tudo?
Emmeline: Sim, vamos?
Taylor: Claro.
Emmeline: Já agora, estás bem?
Taylor: Ah, foram só uns ferimentos, já estou bem. Não foram muito feios.
Emmeline: De certeza? Podes voltar para casa se não te sentires bem, não te quero obrigar a anda.
Taylor: Acredita, estou de boa saúde. Já disse que não foi nada de grave. Sempre me vens ver na sexta?
Emmeline: Depende, em princípio tenho o dia livre e vou. Mas não tenho a certeza, sabes como é o meu pai…arranja sempre algo para a última da hora.
Taylor: Percebo – carrega no acelerador – é melhor sairmos antes que ele mude de ideias.
Em menos de um instante estavam na praia.
Taylor antes de sair do carro: Já agora, feliz ano novo.
Emmeline: Feliz ano novo para ti também – sorri.
Taylor abre a porta do carro e sai, para depois abrir a porta a Emmeline.
Emmeline: Estás a full power hoje…
Taylor: É… - pega na prancha que tinha trazido no porta-bagagens.
Emmeline: Vens vestido a rigor e tudo.
Taylor: Tem de ser, sabes que isto do surf é difícil sem bom equipamento.
Emmeline: É, já ouvi dizer isso. – Pegou na mala que tinha pousado aos pés antes de sair.
Depois de trancar o carro, desceu as escadas que iam dar à praia seguido de Emm.
Emm sentou-se na areia sobre a sua toalha, enquanto que Taylor fazia os aquecimentos necessários antes de entrar no mar.
Ali aproveitava-se o melhor do sol, enquanto que um pouco mais longe, uns metros ao lado havia quem tentasse esconder-se do sol. Esse alguém chamava-se Alexander, era um rapazinho pequeno que corria na praia quando haviam muitos turistas.
Alexander começou a correr até ao pé de Emm, planeava roubá-la. O coitado só queria um gelado, num dia frio. Não o compreendo. Crianças…
Era o momento perfeito, Emm tinha adormecido. Muito devagarinho, Alexander aproximou-se da mala dela.
BaekHyun: Ei miúdo! Não devias fazer isso!
Emm acordou. Olhou para o menino que estava a mexer na sua mala.
Emmeline: Seu pequeno…
Alexander: Desculpa menina! Desculpa, desculpa, desculpa! M-mas…. Eu só queria um gelado! – Começou a chorar.
BaekHyun agarrou Alexander pela gola da t-shirt: Anda lá seu pequeno ladrãozito. Vamos devolver-te ao teu sítio.
Emmeline: Tu aí! Larga o menino!
BaekHyun largou-o. Emm levantou-se e foi até ao pé do menino.
Emmeline: Vem, eu compro-te um gelado.
Alexander mostrou a língua a BaekHyun, este nem se importou. Virou costas e esperou que Emm lhe desse o gelado poder levá-lo até à Coreia.
BaekHyun: Prontos já tens o gelado, vamos embora.
Alexander: Ajuda-me! Ele quer levar-me para não sei onde!
Emmeline: Não tens vergonha de seres tão crescido e fazeres isso aos meninos?
BaekHyun: Alexander, não estás safo, eu vou voltar e venho buscar-te.
BaekHyun fez-se ao caminho. Ficou sentado num banco de rua. Pacientemente à espera.
Alexander: Obrigado~
Emmeline: De nada, devias denunciá-lo à polícia.
O problema era esse mesmo, quem iria preso era Alexander se denunciasse BaekHyun.
Alexander: Bem sabes. Ele até que nem é má pessoa… só queria ficar com o meu gelado…
Emmeline a guiar Alexander para a sua toalha: Bem, já não estou a perceber nada! Tens de me explicar.
Alexander: Bem, sabes, eu sou órfão… e ele não sei. Só sei que anda atrás de mim… só isso.
Emmeline: Pode ser um raptor! Tens de avisar a polícia!
Alexander: B-bem, não posso…
Emmeline: Ele ameaçou-te foi?
Alexander: Não, mas se o denunciar tenho que voltar para o lar. Ainda não sou maior de idade…
Emmeline: Oh…estou a ver.
Taylor regressou todo molhado.
Taylor olha para Alexander, este começa a tremer e com o olhar de Taylor a cair sobre ele, fugiu.
Emmeline: Ei espera! Volta aqui!
Taylor: Então?
Emmeline: Ah, tudo normal.
Taylor: Boa, queres ir dar um mergulho?
Emmeline: Na verdade queria ficar a apanhar sol. Sabes, está muito fria a água e no inverno não acredito que seja muito agradável.
Taylor: Força, já volto.
Enquanto Emm olhava para o mar enrolada no seu casaco, Taylor foi à procura de Alexander, este tinha desaparecido, assim como BaekHyun.
Ainda bem, Taylor ia zangar-se com Alexander.
BaekHyun e ele estavam escondidos numa árvore.
BaekHyun a sussurrar enquanto Taylor não se vai embora: Tens duas hipóteses, ou ficas aqui e ele vai andar de olho em cima de ti, ou vens comigo e a tua pena será menor.
Alexander a olhar para BaekHyun: Mas eu nem fiz nada!
BaekHyun: Pois sim, fala assim fala. Nós sabemos o que tu andas a tramar. Só não sabíamos onde te encontrar. A dark society anda à tua procura, portanto dou-te a escolher por quem queres ser julgado.
Alexander suspira: Okay okay, leva-me até ele.
Ambos saltaram da árvore, com isso BaekHyun mandou uma mensagem a SuHo.
SuHo recebeu-a. Ainda andava à procura da mulher que passava por ele. Já era o segundo dia consecutivo que ele andava à procura dela e não a tinha encontrado, como pode ser tão tapado? Estava mesmo à sua frente!
Tanya: Desculpe-me, sabe-me dizer que horas são?
SuHo: Ah, sim… são exatamente… 07:38.
Tanya: Obrigado SuHo.
SuHo: De na- espera aí! Como raio sabes o meu nome?
Tanya apenas sorriu e começou a correr.
Finalmente SuHo tinha percebido que era ela de quem ele andava à procura!
Começou também a correr atrás dela. Tanya atirava tudo ao chão, para atrasar SuHo. Mas isso não o preocupava, corria nem que fosse por cima de chamas para a apanhar. Também, para ele não era muito difícil fazê-lo. Ia apagar as chamas num abrir e fechar de olhos. Volta e meia e estava aquela parte toda destruída, dois vândalos tinham passado por ali. SuHo continua a correr sem olhar para trás, até que a perde de vista. Pára e olha para ambos os lados, não sabe qual seguir e naquele momento a água não era grande ajuda, Tanya era demasiado esperta para se pôr perto de água sabendo quem SuHo é.
SuHo acabou por recomeçar a correr para a esquerda.
SuHo: Bolas! Perdi-a de vista… - bate com o punho na parede.
Estava ofegante. Mas não tinha desistido. Tinha mandado um dos seus mensageiros à procura dela. Claro que ela tentava fugir ao máximo. Não era muito difícil, Tanya camuflava-se facilmente.
Isso fazia SuHo andar perdido, nem com o seu mensageiro lá chegaria.
-------------------------------------------------------{Fim do 2º Capítulo}-----------------------------------------------------------------


eu depois ponho as formatações, e vou começar a marcar-vos no facebook ^^[b]


Última edição por Yuyokas em Sab 24 Nov - 19:00:07, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
lenitta
Flaming Charisma
Flaming Charisma
avatar

Feminino Mensagens : 2574
Reputação : 0
Data de inscrição : 04/01/2012
Idade : 26
Localização : Setúbal - Montijo

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Seg 19 Nov - 17:21:52

Citação :
SuHo: Das duas uma, ou és tu e és muito boa atora. Ou então não és tu…

o que é uma atora? hahahahahahahahahahaha actriz yoyo....

porque paras-te? eu queria ler mais e mais...

hehe a tsubaki é uma dorminhoca ^^ oto san leva-me ao colo *.* e lá vou eu ao colo hahahhaha

eu tou morta para ver quem raio são aqueles que eles procuram.. e para quê loool
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qua 21 Nov - 11:35:34

Citação :
Citação:
SuHo: Das duas uma, ou és tu e és muito boa atora. Ou então não és tu…


o que é uma atora? hahahahahahahahahahaha actriz yoyo....

porque paras-te? eu queria ler mais e mais...

hehe a tsubaki é uma dorminhoca ^^ oto san leva-me ao colo *.* e lá vou eu ao colo hahahhaha

eu tou morta para ver quem raio são aqueles que eles procuram.. e para quê loool
Umma xD eu sempre aprendi assim u.u
parei pq tava a pôr demasiadas cenas no cap xD
hahahahhahaha xD que ganda lol xD
o.o omg a sério?
*le mim a olhar para os lados muito desiludida com as orelhinhas de panda muito em baixo* oh T.T só a umma é que leu? :'(
Voltar ao Topo Ir em baixo
lenitta
Flaming Charisma
Flaming Charisma
avatar

Feminino Mensagens : 2574
Reputação : 0
Data de inscrição : 04/01/2012
Idade : 26
Localização : Setúbal - Montijo

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qua 21 Nov - 19:09:29

oh yoyo... é melhor esperares semanas até veres os comentários... o forum anda muito parado...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qua 21 Nov - 19:27:14

ai é? u.u *TODA A GENTE AQUI JÁ XD OU VOU BUSCAR OS DONUTS XD* u.u vamos mas é a ver isso u.u
Voltar ao Topo Ir em baixo
cataemin & Miss Zelo
Dangerous Addicted
Dangerous Addicted
avatar

Feminino Mensagens : 9287
Reputação : 0
Data de inscrição : 08/08/2011
Idade : 21
Localização : lisboa- I live with SHINee forever eheh(i wish)

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qua 21 Nov - 19:30:27

gostei mt dos dois cap's
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qua 21 Nov - 20:01:04

ainda bem *-* como ainda n me deste as inf, a tua personagem tá com um ? oki? ^^''
Voltar ao Topo Ir em baixo
lenitta
Flaming Charisma
Flaming Charisma
avatar

Feminino Mensagens : 2574
Reputação : 0
Data de inscrição : 04/01/2012
Idade : 26
Localização : Setúbal - Montijo

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qui 22 Nov - 19:57:02

há é a personagem dela... eu fiquei.. mas quem é este? uma que ainda não se pode dizer o nome? hahahaha
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Qui 22 Nov - 20:40:46

lawl mas é catyzita :3 *3*
eu já escrevi até ao 4º cap mas n vou postar pq tenho q fzr mtos edits :P
UMMA:
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sophynme
NewBie
NewBie
avatar

Feminino Mensagens : 86
Reputação : 0
Data de inscrição : 08/11/2012
Idade : 24
Localização : Cascais, Parede

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sex 23 Nov - 1:14:19

Tá muito bom! Só dá vontade de ler mais e mais :67:
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sex 23 Nov - 7:13:00

ohh gomawo *-* vou esforçar-me para publicar o + rápido possível :3 ^^
Voltar ao Topo Ir em baixo
lenitta
Flaming Charisma
Flaming Charisma
avatar

Feminino Mensagens : 2574
Reputação : 0
Data de inscrição : 04/01/2012
Idade : 26
Localização : Setúbal - Montijo

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sex 23 Nov - 19:30:59

porque razão é que havia de estar chateada contigo yoyo?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sex 23 Nov - 19:32:38

n sei umma, diz-me tu... tens andado a flr de forma estranha cmg, mas n ligues lol deve ser parvoíce minha...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: 3º Capítulo - Início da Confusão   Sab 24 Nov - 19:29:38

Como vocês vão todos mandar-me bananas xD eu vou por o 3º cap okay? XD hahaha

Personagens do 3º Capítulo:
Femininas:
Jewel Sophie Hudson. É uma pessoa que Meiga, fiel e dócil; muda facilmente de humor [fica facilmente triste ou chateada], influenciável, assusta-se facilmentemuda de humor facilmente; simpática e fiel aos seus amigos. Gosta de Chocolate, frango, dormir, estar quentinha. Não gosta de Cobras e outros seres rastejantes, insetos. É australiana.
Masculinas:
D.O. [Do Kyung Soo].Tem 18 anos. É prudente e ambicioso. A sua educação é muito rígida. É pessimista e conservado acabando por ser muito rígido consigo próprio quando algo corre da maneira errada. Planeia tudo o que faz e gosta de ser reconhecido. Gosta de se vestir com classe acabando por ser vaidoso; se sentar e relaxar, para pensar um pouco quando tudo está mal; pensar bem nas coisas vendo os riscos que corre; solidão; cozinhar, pondo todo o seu carinho em tudo o que faz com a esperança de transmitir felicidade pelos seus cozinhados. Não gosta de mostrar as suas emoções ou mostrar-se fraco perante os outros, por isso mantém sempre um sorriso; de se sentir inútil, acabando por se ir muitas vezes a baixo quando sente que não pode ajudar e na realidade poderia ter feito algo. Faz beat box quando tudo está calmo. É coreano.
JangHyun, trabalha no hotel onde ? está hospedada. Tem pouco mais de 18 anos. É bulido e tem medo de falar, acabando por ser muito reservado. Gosta de ouvir música e de chorar, porque assim se sente bem. Não gosta de pessoas que se acham melhores que as outras nem de música muito alta. É simpático e divertido mas muito teimoso.
Joshua, amigo de kate. Tem 19 anos e como Kate partilha uma paixão imensa pela dança. É muito animado e está normalmente de bom humor, é muito ciumento e convencido. Não gosta que lhe atirem coisas à cara nem de estar sentado. Gosta de dançar e de provocar os seus amigos.
Fabio, amigo de Kate. Tem 20 anos e tal como Kate e Joshua ama a dança. É muito original e romântico porém tem medo de mostrar o que sente ficando na maior parte das vezes magoado. Já se habituou a perder pelo que já não lhe interessam as competições, participa apenas por diversão. Não gosta de pessoas mandonas nem do sol. Gosta do vento e do escuro.




3º Capítulo – Início da confusão
‘’Mais vale tarde do que nunca, sinceramente não vejo qual o problema de ser irresponsável de vez em quando. Prontos, errei admito. Fui estúpido, mas quem me provocou que arda no Inferno e espere por mim, lá estarei um dia. Até lá, que arda naquelas chamas eternas e que sofra, acertaremos contas um dia’’ – Park ChanYeol

Ainda não vos expliquei bem as coisas pois não? Bem me parecia! Eu sabia que não tinha explicado…. Deixem lá ver como dizer, Tanya tem contas a acertar com SuHo. É como Alexander. Não só com SuHo, com toda a sociedade deles. Ainda não tinhas reparado que eles são diferentes? UPS! Falei de mais!
De qualquer das maneiras, um belo dia de Verão começava novamente no Hemisfério Sul. Enquanto isso, no Hemisfério do Norte fazia frio. E isso era favorável para alguns, havia outros que nem se importavam com o facto de estar frio ou calor. Mas pronto.
No Hemisfério Sul, mais propriamente na Austrália, o reino dos Coalas e dos Cangurus, havia quem se fechasse em casa à espera que algo acontecesse.
Sra. Hudson: Filha, vai lá para fora!
Jewel: Não me apetece nada, está demasiado quente.
Sra. Hudson: Convida os teus amigos para virem cá a casa então, ao menos ficas ocupada.
Jewel: Mãe, não me fales disso, já te disse que não os tenho.
Sra. Hudson: Não fales assim Sophie!
Jewel: É verdade, quem quer ser amigo da filha de um realizador sem ser por interesse? Não tenho amigos.
Sra. Hudson: Então arranja amigos…famosos.
Jewel: Essa gente é toda falsa.
Sra. Hudson: Não fico descansada assim. Tenho que ir trabalhar.
Jewel: Vai mãe, eu fico bem. As paredes são boas ouvintes.
Sra. Hudson: Sophie, tens de sair, ver a luz do sol. Não é ficando aí sentada que vais arranjar amigos!
Jewel: Para quê arranjá-los? É tudo por interesse…
Sra. Hudson: És tão teimosa quanto o teu pai, mas vais ver. Sai à rua, vais ver como ninguém te conhece. Nunca te viram na TV…
Jewel: É, talvez tente fazer amizade com um crocodilo ou com o Coala…
Jewel na realidade não estava só. Tinha amigos. Mas, mãe dela não gostava deles. Por isso fazia aquela farsa toda antes da mãe sair de casa.
Sra. Hudson: Então vou embora, ficas bem?
Jewel: Sim sim adeus.
Sra. Hudson: Então adeus meu amor.
Jewel: Sim sim, adeus~
A Sra. Hudson saiu.
Jewel: Aleluia já não era sem tempo! Finalmente, deixa ver o que vou fazer hoje…
Empregado: Menina – Jewel mandou um salto.
Jewel: Credo! Não sabia que estavas aí…
Empregado: Desculpe menina, mas o seu pai disse que queria falar consigo hoje.
Jewel: Hoje? O que raio têm as quintas-feiras?
Empregado: Não sei menina, mas acho melhor apressar-se antes que o seu pai perca a paciência. Sabe como ele é.
Jewel baixinho: Sim, um cientista maluco que também é realizador…
Empregado: Disse alguma coisa menina?
Jewel a abanar a cabeça: Eu? Não não…nada, rigorosamente nada.
Desceu até à sala do pai que se encontrava na cave.
Sr. Hudson: Tens duas opções, ou concordas comigo, ou estás errado!
Jewel: A falar sozinho outra vez pai?
Sr. Hudson ao virar-se: Sophie! Eu? Não estava a falar sozinho.
Jewel: Sim sim, passemos ao que importa... O que queres?
Sr. Hudson encolhe os ombros: Descobri o elixir da vida eterna.
Jewel desequilibra-se e quase cai: E aonde é que eu já ouvi esse discurso? Quantas vezes já o ouvi?
Sr. Hudson toma uma expressão séria: Desta vez é verdade! Não estou a mentir, descobri mesmo.
Jewel: Como é que o provas?
Sr. Hudson: Bem, testei num rato que estava a morrer...
Jewel: Oh, pois claro. São mesmo de fiar os ratos...
Sr. Hudson: Não tenho cobaias, pelo menos por enquanto.
Jewel desinteressada a tocar nos frascos que estavam nas estantes: E porque raio não te focas em algo normal? Sei lá, arranja pessoas e faz um filme, arranja o guião. Sei lá...
Sr. Hudson: Isso é aborrecido. Mas, talvez nem fosse má ideia! Jewel, eu sabia que davas bons conselhos!
Jewel confusa: O que queres dizer com bons conselhos?
Sr. Hudson: Sim sim minha filha, obrigado pela ideia~ - cantarolava.
Não foi só ela que ficou confusa, na realidade, também eu fiquei. Até juntar todas as peças e ver o puzzle completo fiquei a apanhar bonés.
De qualquer das maneiras, Jewel saiu da sala, bem do laboratório do seu pai. Dirigiu-se à sala e ligou a TV.
Jewel: Não me apetece sair hoje... Vou ficar por aqui.
Sr. Hudson sai a cantarolar da cave: Descobertas não podem ser adiadas~
Jewel olha para ele, este pega no telefone de casa.
Jewel do sofá: Vais ligar para quem?
Sr. Hudson: É trabalho está descansada.
Jewel enquanto muda de canais: Se tu o dizes, quem sou eu para dizer o contrário?
Claro que Sr. Hudson estava a falar de outra coisa sem ser trabalho, tudo menos trabalho, pelo menos normal. Falava acho que com o Sr. Williams ao telemóvel.
Isto é, pelo que percebi de nomes. Claro que ouvi uns que nunca tinha sequer pensado que existiam, tais como Akhenáton, Nefertiti…entre outros, eram todos tão estranhos e diferentes que metia confusão ouvir. Depois, percebi que falavam de um projeto qualquer, que passava pelas mãos de ambos. Juntamente com o Sr. Saywer e o Sr. SM, mais propriamente, Lee Soo Man. Comecei a associar tudo, percebi que se referiam ao próximo filme que ia esteirar, melhor, que ia rodar. Segundo o que ouvi, ainda não estava pronto o guião. Ou talvez apenas estivessem algumas partes
Sr. Hudson ao telefone: Foi um prazer ouvi-lo de novo Sr. William, fico à espera de notícias. Por favor tente pressionar o Sr. Saywer, quero ter acesso a tudo, o mais rapidamente possível.
Sr. William do outro lado: Claro, claro. Digo-lhe algo assim que tiver resultados.
Jewel a pensar: William? Onde é que eu já ouvi esse nome?
Havia tanta janela, tanto vidro. Até metia impressão. Cada janela refletia os movimentos de cada ser que se encontrava dentro de casa.
Claro que haviam seres e seres não é? Nomeadamente o ser que espiava tudo tanto dentro como fora de casa. Era um livro, pequeno, ninguém parecia dar conta dele. Estava arrumado ao pé da TV.
Também ela se deu de conta do livro, que estava ao lado da tv.
Lay pensa: Tsk, não não! Não te levantes…
Pegou no livro pequeno.
Jewel: Hum? O que é isto? – começou a folhear o livro – tem desenhos estranhos, caracteres.
Assim, dum momento para o outro, o livro começou a arder, ela deu um salto com o susto. Por momentos pensei que ia incendiar a sala, mas não. Caiu no chão e o fogo apagou-se.
Lay pensa: Foi por muito pouco… mas também não é aqui.
Lay começou a afastar-se da casa, cuidadosamente. Passou pela estrada, até chegar a uma outra casa.
Lay ao pegar no telemóvel: Não vai valer a pena, já vi que aqui não há nada. Vou avisar o SuHo.
Lay mandou uma mensagem a SuHo, este não a viu. Não admira! Estava a correr que nem um louco... estava ainda à procura de Tanya.
Algures perto daí, encontrava-se ? . Estava agora sentada na praia.
SuHo: Desculpa, viste uma rapariga de cabelo preto, vestida de preto e com a pele branca?
Kate: Não..
SuHo: Okay obrigada. – começou a correr para a esquerda.
Kate: Já nem na praia se tem sossego, se não são os fãs, são uns malucos quaisquer…
Era verdade, era isso que acontecia. Aconteceu no dia anterior. E ainda no dia seguinte!
Era estranho, nada se passou de interessante nos dias seguintes. XiuMin e Chen vigiavam Hiro de perto, claro que nem sempre o viam. Conseguia escapar-se por entre a população, fugir um pouco para ganhar um pouco de fôlego. Enquanto isso, nos sonhos de XiuMin começou a aparecer uma mulher, feita de água, que se ia desfazendo, mas no segundo seguinte já se tinha reconstruído. Depois apenas com o pé, ele congelava-a. Era estranho, a cara dela não era percetível. Era muito estranha, era uma mistura de animal com humano, algo como um deus egípcio. Metia medo! Sabia que era uma mulher pela estrutura e pelo vestuário.
Nos sonhos de Chen apenas aparecia um piano, ele tocava no piano, surgiam melodias lindas. E de repente, havia também uma mulher no sonho… uma mulher estranha, não era humana, mas também não era nada de sobrenatural, não tinha poderes, pelo menos aparentemente. Assim do nada desaparecia e aparecia novamente.
Mas, à parte disso nada mais, só uns meses mais tarde, começou a haver movimentação em todo o lado.
Como por exemplo, na Austrália. O Sr. Hudson ia em viagem de trabalho para a Coreia, creio que levava consigo a sua mulher e a sua filha.
Sr. Hudson: Toma isto como umas férias.
Jewel: Férias a meio do ano? Credo…
Sra. Hudson: Sim, querido. Porquê estas férias repentinas?
Sr. Hudson: Bem, achei por bem fazer férias agora, para além do mais tenho uns assuntos a tratar com a Sophie, e acho que são do seu interesse. Depois, é bom vocês saírem da realidade de Sidney, sabem existem outras cidades no mundo. Como Pequim, Tóquio, Seul, Paris, Madrid, Roma…
Jewel: Andaste a estudar as capitais?
Sra. Hudson: Realmente…
Sr. Hudson: Só vos queria dar a oportunidade de visitarem sítios bonitos.
Jewel: É mãe, vamos fingir que é verdade.
Como tinha dito, viagem de trabalho.
Por falar em trabalho, era isso que o Sr. HallWane estava a fazer neste preciso momento.
Sr. William: Quero isto tudo limpo!
Sr. HallWane : Sim – começou a pensar na sua aprendiz, Charmaine.
Sr. Richard: Olha ali! Está sujo!
Sr. William: Vamos Richard, não o vamos atrapalhar.
Sr. HallWane a pensar: Espero que me perdoes um dia Charmaine, não foi por mal.
Realmente, nesta altura já começava a pesar a consciência de Sr. HallWane, vendeu a aprendiz por ouro? Ou melhor…sacrificou-a e a ele próprio? Porquê? Não valia a pena, ele nunca iria sobreviver às garras daqueles dois bandidos…malfeitores! De qualquer das maneiras, só era o início do que ainda estava para vir.
Sim, era um desastre. Quero dizer, não tão desastrado como Vitória a trabalhar em Nova Iorque.
Patrão: Vamos vamos Vit, rápido. A mesa cinco está à espera!
Vitória estava de patins, e diga-se de passagem que não era lá muito boa naquilo. Já tinha caído umas quantas vezes. Não importava, estava a divertir-se.
Vitória: É desta que vou conseguir patinar.
Foi nesse momento que se desequilibrou, o tabuleiro que trazia nas mãos voou, foi parar a uma mesa que estava ali perto. E por pouco não caiu no chão. Alguém a tinha agarrado.
MinHo: Para a próxima tem mais cuidado…
Vitória ao virar-se: S-sim, desculpe senhor.
MinHo riu-se. Andou em direção à mesa onde estava o seu pai. Por azar, quem tinha ficado todo sujo, tinha mesmo sido o Sr. Choi.
MinHo: Bem, parece que fiz bem em ir lavar as mãos.
Sr. Choi: Não estamos aqui para brincar filho.
MinHo: Ne ne. Appa, onde vamos a seguir?
Sr. Choi: Ia levar-te novamente para a Coreia, tens quem queira falar contigo de assuntos sérios.
MinHo ao suspirar: Sempre a mesma coisa. Que treta. ‘’MinHo is a superstar’’ enfim.
Sr. Choi: É para o teu bem filho, o teu futuro ficará assegurado se assim for.
MinHo: E se eu não quiser? E se eu quiser ter a minha própria vida privada e ser como toda a gente? Não quero mais paparazzi atrás de mim appa…
Sr. Choi: Choi MinHo, deste a tua palavra, não vais desapontar o Sr. Lee Soo Man, pois não?
MinHo fazia um pequeno filme de animação com vozes parvas na sua cabeça. Era completamente cómico. Era o pai dele a falar. Dizia ‘’Um Choi nunca volta atrás com a sua palavra, e o Sr. Lee Soo Man?’’. A cabeça do seu pai tinha crescido, era como um balão. Claro que depois se concentrou na conversa e aquelas imagens desapareceram.
MinHo ao mexer no copo com sumo de ananás: Ne, eu vou participar no raio do filme… onde está o guião? Caso não saibas ainda não dei conta dele. Ainda não o tenho em mãos.
Vitória tinha-se escondido, e tinha ficado a observar MinHo.
Emm: Vit, volta logo ao trabalho!
Vitória ainda a olhar para MinHo: Quem é?
Emm: huh? A quem te referes?
Vitória apontou para a mesa dos Choi.
Emm a rir-se: Ah eles, são os Choi. Bem-vinda ao mundo real. Nunca conseguirás nada com o filho dele se é o que estás a pensar. São tão fechados quando uma noz.
Vitória suspira.
Emm empurra-a para fora do balcão: Anda lá, há muito trabalho. Rápido rápido caramba!
E lá voltou ela ao trabalho. Enquanto isso Emm dirigiu-se à mesa dos Choi.
Emm: Hum, jovem senhor. Será que me podia acompanhar até ali? – apontou para a porta do restaurante com o polegar.
MinHo ao levantar a cabeça: Huh? Claro… com a sua licença appa. – levantou-se e acompanhou Emm.
Emm: Os guiões estão uma porcaria!
MinHo: Eu não tenho culpa disso…
Emm: Nem eu disse isso. Já agora. Há para aí um rumor…
MinHo: Também o ouviste?
Emm: Quem é que não ouviu? Só quem não trabalha! Por favor…jovens fantasmas?
MinHo: Shh! Cuidado com o tom que falas. Eu sei disso… e acho que já descobri onde moram.
Emm: Ai sim?
MinHo: Sim. Acho que eles andam a raptar pessoas ou algo do género…
Emm: Eu não me posso envolver mais por causa do meu pai. Por isso boa sorte.
MinHo: Hum, isso arranja-se. Acho que eles moram para os meus arredores. Percebes?
Emm: Vais-te infiltrar?
MinHo: Se for a única maneira, sim. Mas não é o teu pai que vai rodar o filme por lá?
Emm olha para os lados: Não. Por acaso não. Eu depois falo contigo. Aqui dá muito nas vistas.
MinHo: Sim. Então eu ligo-te depois.
Emm: Sim – sorri e vai-se embora.
Vitória veio-se colar a Emm: Então? O que falaram?
Emm: Na-da… - os olhos dela saltavam de um lado para o outro
Vitória: Oh…
Emm: Vit, já te disse. Ao trabalho!
Vitória levanta os braços: De volta ao trabalho – começa a troçar com uma voz mais grossa, abanando os braços e a cabeça para os lados.
Emm empurra-a novamente para fora do balcão.
Vitória: Calma Sra. Chefe…
Emm cruza os braços: Miúdas novas… de onde é que ela era mesmo?
Patrão: Passaram por aqui. Um deles.
Emm: O quê?
Patrão: Sim, o Alexander foi levado…
Emm: O quê? E agora? – começa a ficar desesperada.
Patrão: Não sei. Deixa isso para os outros…
Emm: Ó por favor é uma criança chefe!
Patrão: Não tenho culpa. Eu depois falo com o MinHo. Agora de volta ao trabalho.
Emm: Sim.
Era isso mesmo, BaekHyun já tinha partido para fora da América. Encontrava-se agora na Europa, já tinha andado pela Rússia ia agora para perto de França, onde ChanYeol e BaekHyun tinham trocado de turnos. Tinha ido ter com o D.O..
D.O.: Encontras-te o pirralho…
BaekHyun: Que remédio tinha eu. Ele entregou-se se queres que te diga.
D.O.: Por aqui não há movimento. Recebi uma chamada de XiuMin e de Chen. Queriam ajuda. Tinham o irmão de Kai debaixo de olho pelo que não podiam seguir ninguém. E então disponibilizei-me. Estava agora mesmo a agarrar nas minhas coisas para ir até lá.
BaekHyun: Mianhae. Eu até te levava a bordo da minha gentil carruagem – disse isto num tom irónico que apenas a eles soou como piada.
D.O.: Ah, não se preocupe Sr. Sol. Eu tenho os meus meios.
BaekHyun: O Kai é que tem sorte.
D.O.: Não tenho grande certeza disso. Não pode sair da China. Encontraram um turvo.
BaekHyun: Como assim?
D.O.: O Tao pediu para a procurarmos. Mas o problema é que ela não sabe quem somos. E por azar, ou por sorte sabe artes marciais e foi de encontro ao nosso caminho. Para além disso está a par de algumas coisas. Pelo menos no que diz respeito ao Tao…acho. Diz que não se vêm à muito tempo.
BaekHyun: Será que precisam de ajuda?
D.O.: Não sei. Acho que quem precisa de ajuda é o ChanYeol, está metido num molho de brócolos…
BaekHyun: Posso não concordar com metade dos atos dele, mas desta vez a razão está do lado dele. Quero dizer, estava a salvá-la não é?
D.O.: Incendiou um avião. E o rapaz sobreviveu.
BaekHyun: Talvez ele o tenha encontrado e nem se deu por isso. Mas isso não devia ter feito. De qualquer das maneiras se o rapaz sobreviveu é porque há algo nele que é puro.
D.O.: Puríssimo! Tão puro quando um bocado de carvão…
BaekHyun: Tanto tu como eu sabemos as coisas Kyung Soo. Não disfarces.
D.O.: Ne ne.
BaekHyun: De qualquer das maneiras, vou só entregar o rapazito – trazia pela mão arrastado Alexander – a SuHo e já volto.
D.O.: Não o faças. Não vai valer de nada. Ele agora anda em constante movimento. Para além disso… fica mais seguro connosco e vão começar a desconfiar se mandarmos ‘’toda a bagagem’’ para a Coreia.
BaekHyun: Pois, bem pensado. Talvez o leve depois quando os tivermos a todos.
D.O.: Isso, agora vem comigo, é capaz de dar jeito mais uma mãozinha.
BaekHyun: É. Tenho a outra ocupada, uma chega?
D.O.: Claro. Põe-nos às escuras um pouco.
BaekHyun apenas sorriu. Começou a fazer estranhos movimentos com a sua mão livre. Assim do nada, o sol estava a esconder-se atrás da lua, ou algo parecido…não não era a lua. Era algo maior. Um planeta? Não… era outra coisa qualquer. Enquanto isso, D.O. fechou os olhos e a terra tremeu. Os três estavam a ser comidos pela terra.
D.O.: Aguenta mais um pouco por favor. A seguir tenho que voltar a abri-la.
BaekHyun: Kyung dongsaeng, despacha-te por favor. Não é muito fácil com este pirralho.
D.O.: É para já hyung.
Uma fenda abriu-se e permitiu-os entrar novamente na escuridão do eclipse.
D.O. já fora da mesosfera: hum, queres ajuda para subir hyung?
BaekHyun: Apreciava a ajuda se ma desses.
D.O.: Right away sir~
D.O. deu a mão a BaekHyun puxando-o. Nesse mesmo momento o sol saiu do seu esconderijo e BaekHyun tinha saído de dentro da terra com Alexander arrastado. A terra fechou-se e ambos fingiram ser turistas completamente normais. Dirigiram-se a casa de XiuMin.
BaekHyun: Se bem me lembro, era aqui que ele morava…pelo menos da última vez que cá vim~
D.O.: Pelo que sei, não mudou de casa. Mas não sei se está em casa. Pode ter ido atrás do tão famoso irmão de Kai.
BaekHyun: Mas o que raio deu agora no Kai para andar a dizer para não o deixarmos sair de Itália?
D.O.: Acho que ele tem alguma coisa com ele… alguma coisa de família ou coisa assim. E o Kai não quer que nada lhe aconteça. Temos um destino trágico pá – disse num tom de brincadeira – mas agora, a sério. Acho que é algo que os puros querem.
BaekHyun: Se os puros querem…talvez seja algo importante… digo eu.
D.O.: É…já pensei isso… mas ainda não cheguei lá. Não faço ideia do que possa ser. Segundo o Kai é algo que nenhum de nós tem. Ele é como que uma chave. É o que nos completa a todos, isto segundo a teoria do SuHo.
BaekHyun ficou pensativo: Chave hem?
D.O.: Ne… chave. Já tentei ver os vários significados que isso pode ter. Mas ainda não lá cheguei. Chave tanto pode ser para abrir como para fechar.
BaekHyun: Inferno?
D.O.: Não faço a mínima, talvez seja ele a nossa ‘’salvação’’. Aí até faz sentido, seria a chave para nos libertar desta vida, claro que não sei.
BaekHyun: Mas isso assim não faz sentido! Eles não iam roubar a nossa chave, se assim fosse até lhes favorecia que perdêssemos os nossos ‘’dons’’ se é que me percebes…
Alexander: Retardados… não queremos nada disso!
Ambos olharam para Alexander: Como assim?
Alexander: Não têm de saber de mais nada. Ele não é chave nenhuma. Vocês e as vossas parvoíces… unf.
Ao contrário deste ambiente, reinava a calma em casa de XiuMin. Não havia pai em casa, o que significava que a casa seria mais calma do que já era ou seja, não havia movimento.
Chen: Vamos, dorme. Eu fico de vigia.
XiuMin a bocejar: Da última vez que disseste isso o rapaz ficou preso numa árvore.
Chen: Oh, também não vais ficar com noites em branco durante um ano inteiro ou vais?
XiuMin quase a cair para o lado com o seu sono: Não sei, depende do tempo que demorarmos a completar a nossa tarefa.
Chen: Oh por favor vai lá descansar. A sério. Eu vigio-o. Eu sei vigiar.
XiuMin acabou por concordar, estava com tanto sono que já nem via bem.
Antes disso decidiu passar pelo quarto de Alexys, ia verificar se estava tudo bem visto que tinha estado muito calada no último mês. Bateu à porta mas ninguém respondeu.
XiuMin a bocejar novamente: Vou entrar Al…
Abriu a porta, Alexys já estava deitada a dormir.
XiuMin: Hum, fazes bem. Também me vou deitar. Que sono… devo ter umas olheiras do tamanho de dois elefantes…
Olhou novamente para a cama onde ela estava, queria verificar se era mesmo ela, por isso entrou e aproximou-se.
Passou-lhe a mão na cara. Sim era ela, sem dúvida, não era nenhum boneco. Era ela.
Andou na direção contrária e fechou a porta ao sair. Passou pelo corredor e dirigiu-se ao seu quarto. Nem se deu ao trabalho de vestir o pijama, deitou-se mesmo com a sua roupa do dia-a-dia. Mas, havia algo de errado na sua cama. Haviam altos e baixos. Que estranho, a cama estava feita.
Ligou a luz. Quando reparou que estava ali um ser humano começou a gritar e arregalou os olhos. Chen veio a correr.
Chen ao abrir a porta do quarto: O que foi? – olha aparvalhado para XiuMin.
XiuMin: É uma mulher…!
Chen olha para a cama, e em seguida começa a rir-se e a tentar evitar olhar para o ser.
XiuMin: Qual é a piada?
Chen: Que escandaleira… e não é uma mulher.
XiuMin: Ai não?
Chen: Bem…eu acho que e o D.O. mas se dizes que é uma mulher…
XiuMin olha novamente para a cama, sim realmente era mesmo Kyung Soo que estava ali deitado. Oh, vamos dar-lhe um desconto estava com sono.
Chen: Mas porque te foste meter aí?
D.O.: Tinha sono e foi a primeira cama não ocupada que me apareceu à frente. Entrei pela janela do outro lado e levei com uma maçã na cabeça.
Chen começou a rir-se à gargalhada.
XiuMin: Sim, vai dormir na sala que eu estou exausto. O Chen não sabe vigiar por isso fica lá com ele. Quero dormir um bocadinho. Nem que sejam apenas dois minutos. Um bocadinho sim?
O corpo de XiuMin caiu para cima da cama e ficou imóvel, passados uns segundos só se ouvia roncos. Era ele a dormir.
Havia quem ainda estivesse acordado por muito cedo que fosse. Eram praticamente oito da manhã no Japão. Estranhamente Tsubaki estava acordada.
Tsubaki: Diz logo, não te ponhas com rodeios, só acordei cedo por tua causa por isso não comeces a dar nós a tudo, sê direta unnie.
Jessica: Dongsaeng, desculpa. Estou confusa!
Ah, já percebi. Estava a ajudá-la caso contrário ainda estaria na cama a sonhar ou provavelmente já teria levado com um balde de água fria em cima.
Não consegui ouvir o que queria ela dizer! Começou a sussurrar ao ouvido de Tsubaki!
Tsubaki olhou para as suas mãos: Muito sinceramente unnie, eu não saberia o que fazer. Talvez tentasse dizer-lhe… ou não sei… me calasse?
Jessica: O problema é que se eu lhe disser ela não me perdoa.
Tsubaki suspirou: Hum unnie, isso não é razão para deixar de existir amizade entre vocês, vai acontecer o que tiver de acontecer. Sabes… será sempre assim. Eu não sei, portanto não vou jurar mas, se fosse comigo tentaria pelo menos perceber as coisas. Acho eu…
Jessica: Pois, mas falar é muito fácil. Eu conheço-a.
Tsubaki: Talvez estejas só a fazer filmes na tua cabeça unnie. Sabes, pode ser mais simples do que parece – come um pouco de um donut.
Jessica: Não sei não. És demasiado descontraída para o meu gosto.
Tsubaki: Descontrai. Sabes que faz mal à saúde estar sempre nevosa? Unf, cada coisa a seu tempo. Unnie, no meio de isto tudo o único conselho que te posso dar é…enfrenta-a. – Apontou com o donut para Jessica - Caso contrário vais andar a brincar ao gato e ao rato até que ela o largue. – Andou com o donut à roda na mão antes de voltar a mordê-lo.
Jessica algo desanimada: Eu sei disso dongsaeng… - notavelmente estava cada vez mais triste, já quase lhe vinham lágrimas aos olhos – eu não quero voltar a viver tudo o que vivi antes de a conhecer, afinal de contas quase que lhe devo a vida – engole a seco.
Tsubaki: Hum, seria pior que ela descobrisse por outra boca que a tua… por isso acho bem que fales com ela o mais rapidamente possível. Tenho a certeza que ela não se vai chatear muito contigo. Pode ir assim no máximo sei lá… ficar uns dias chateada? Não mais do que isso. Não tens nada a perder unnie. – Encolheu os ombros – e isso da vida… eu percebo mas, há coisas e coisas. Como se costuma dizer, ‘’amigos amigos negócios à parte’’.
Jessica já mais animada a fazer gambatte pose: Sim, é isso, eu vou dizer-lhe!
Tsubaki a sorrir com os olhos fechados: É isso mesmo unnie~
Jessica a sorrir: Muito obrigado dongsaeng.
Tsubaki a acenar: De nada unnie, foi um prazer ajudar-te. Boa sorte.
Jessica começou a correr para fora da sala onde Tsubaki tomava o pequeno-almoço.
Tsubaki para si própria: Sono… tanto movimento pela manhã… a minha caminha – curva os cantos da boca para baixo e fecha os olhos só de pensar no tempo em que não esteve a dormir.
Yamamoto: Não temos tempo, vá o diretor quer falar contigo.
Tsubaki alarmada: O que é que eu fiz? – Arregalou os olhos.
Yamamoto encolhe os ombros: Não sei…
Tsubaki já muito preocupada pensando em recorrer às unhas com o nervosismo: Ai ai ai…
Yamamoto: Tem lá calma, também não há-de ser por nada… Acho eu. Só te estriaste há um mês e tal e já tens o coração de Nippon, não te preocupes.
Tsubaki a acalmar-se: S-sim… não há-de ser nada! Nada nada! Espero eu!
Parece-me que desta vez já não havia tanta tranquilidade por aquelas bandas. Isso refletia-se nas atitudes de Tsubaki. Estava tão nervosa que quase caía ao tropeçar nos próprios pés. O andar dela mais parecia um robô a precisar de óleo e, já para não falar dos braços, que acompanhavam o ritmo do corpo à medida que este se mexia.
Yamamoto: Não é assim tão difícil andares Kasugano. Vá. O chefe está à espera.
Enquanto isso, em Itália, já o sol se tinha posto. Era meia-noite, por perto disso. Já estava toda a gente a dormir, toda menos Hiro. Tinha decidido escapar dos olhos de XiuMin e Chen à noite. De manhã mantinha-se em casa, saía um pouco e voltava para casa à hora de almoço. Depois disso ficava a dormir até às cinco para depois acordar e sair novamente.
Certamente que consegui escapar dos olhos de Chen e de XiuMin. Mas não dos de D.O.
De qualquer das maneiras, não o sabia pelo que continuava a sua viagem. Tinha ligado à sua tia, esta vinha-o buscar por volta da uma da manhã, pelo que ainda lhe restava algum tempo. Foi preparando a sua bicicleta e as suas malas que não eram muitas. Eram cerca de duas malas, uma com roupa de desporto e com algumas que se sentisse à vontade e outra com roupa formal que a sua tia lhe tinha pedido. Com tudo isto, ia-se esquecendo das coisas mais importantes, as suas chaves, e, a sua identificação. Não poderia sair de casa sem isso. Definitivamente não o iria fazer. Deixou tudo preparado para ir dar uma volta, cerca de meia hora antes de partir. Ostia era uma boa praia e não era longe. Então assim o fez. Em menos de dez minutos estava na praia. Estava tudo demasiado calmo. Até metia impressão.
Ele deitou-se para trás na areia. Deixou-se ficar ali sozinho a olhar para o céu. Naquela noite, estava nublado. Não se viam as estrelas, pergunto-me porquê. Vejo alguém aproximar-se dali. Não consigo dizer se é rapaz ou rapariga, é difícil para dizer a verdade não dava para distinguir pela estrutura. Muito menos pela postura. Notei que era DaeWoo, pela maneira descontraída e parva como se atirou para trás para se sentar quando viu Hiro.
DaeWoo: És tão previsível. Sabia que ias estar aqui.
Hiro: Estava à tua espera.
DaeWoo: Hum, a sério?
Hiro: Não sei. Talvez.
DaeWoo: De qualquer das maneiras, explica-te, andas-te muito estranho neste último mês.
Hiro: Estranho? A que te referes?
DaeWoo: Ao que aconteceu no coliseu, como sabias que me tinhas de puxar naquele momento quando estavas mesmo ao pé de mim? Porque te escondes de mim? Quem são aqueles outros dois com quem tens andado?
Hiro: Isto mais parece um interrogatório, não tenho que te dar satisfações nenhumas, pensei que soubesses disso…a vida é minha DaeWoo.
DaeWoo a repetir: A vida é minha DaeWoo… Mas afinal sou teu amigo ou não?
Hiro: Não sei, diz-me tu.
DaeWoo: Sempre que te tento ajudar, tu dizes que não precisas de ajuda.
Hiro: Talvez não precise mesmo dela Dae. A sério.
DaeWoo: Okay.
Hiro: Tens horas?
DaeWoo: Um quarto para a uma.
Hiro: Ups, tenho que ir. Vou passar uns tempos com a minha tia a Albano.
DaeWoo: Ouvi dizer que lá há uma mansão gigantesca!
Hiro: É, é algo como um hotel. Vou passar lá algum tempo. A minha tia convidou-me. Disse-me que me pagava a estadia, então aceitei.
E isto passou-se, já havia um carro a rondar a casa de Hiro, provavelmente era o motorista que ia levá-lo para Albano Laziale.
O descanso dura sempre muito pouco tempo. Era exatamente isso que XiuMin pensava. Havia acordado, já eram cinco e pouco da manhã. D.O. estava ausente e Chen dormia no sofá com Alexander enquanto que BaekHyun dormia no chão da sala. Estavam todos exaustos. Nisto, XiuMin olhou para todos eles, achou estranho não ver D.O., mas talvez ele apenas tivesse ido apanhar algum ar puro. Não era essa a realidade, ele deu-se de conta quando viu um papel em cima da mesa, ao lado do computador, era a letra de D.O., dizia ‘’Encontrei mais uma pista. Vou segui-la. O rapaz foi para Albano.’’ Com isto, XiuMin começou a acordá-los a todos, inclusive Alexys.
XiuMin a bater na porta: Acorda! – abre a porta, entra e atira-a para o chão.
Alexys quando embate contra o chão e abre os olhos: O que foi?
XiuMin: Não há tempo para explicar! Vamos fazer assim, tu tomas conta do Alexander e eu volto daqui a pouco! Adeus. Ah, não te esqueças de preparar o pequeno-almoço! – saiu a correr.
Alexys: Quem? – olhou para os dois lados – ah, baboseira dele. – voltou a deitar-se na cama e a tapar-se.
D.O. estava agora perto de Seul. Andava a rondar por ali. Achou algo estranho. Não tinha encontrado SuHo. Mas havia uma presença estranha. Nisto recebe uma chamada. Atende-a.
Kai do outro lado: Estás onde?
D.O. ao telemóvel: Acabei de chegar a Seul, wae?
Kai do outro lado: Vieste de onde?
D.O. ao telemóvel: O teu irmão está bem se é isso que queres saber, está em Albano mais propriamente.
Kai do outro lado: Fico mais descansado…mas não devias estar em França?
D.O. ao telemóvel: Não é suposto estar em lado nenhum. Diz ao LuHan que encontrei o rasto de alguém. Pergunta-lhe se ele consegue saber de quem é.
Kai ao conferenciar com LuHan do outro lado: Não. Mas diz que é um homem. Pelo que percebeu anda de chapéu. É um chapéu estranho. De qualquer das maneiras vamos para aí. Aguenta-te um pouco o LuHan vai demorar a chegar. Quanto a mim…
Ouvi um puf.
Kai: Já cá estou.
D.O. a desligar o telemóvel ao tirá-lo da orelha: Isso sim é rapidez, mas ajuda-me, não vou conseguir encontrar seja quem for.
Kai: Bem, mãos à obra.
O rasto deixado era suave. Cheirava bem, cheirava a canela misturada com baunilha. Era um cheiro muito doce. Não conhecia o perfume. Nem D.O. o conhecia.
D.O. alarmado: O cheiro está a ficar mais forte…
Kai: Vai dispersar-se em seguida.
D.O.: É sempre assim… - olha para a frente e vê um monte de gente – ainda por cima vai ser difícil com tanta gente na rua… caramba.
Kai: O Tao era capaz de dar jeito agora.
D.O.: Soube que ele se infiltrou.
Kai: Também eu.
Eles andavam devagar pelas ruas de Seul. À procura do maldito cheiro, à procura da pessoa que o tinha deixado ficar para trás.
Kai: Nunca mais tive notícias dele.
D.O.: Está a trabalhar com robôs.
Era verdade, Tao trabalhava com robôs. E desta vez estavam todos a descansar, a recarregar a bateria, era tempo de agir. Tao tinha que sair dali o mais rapidamente possível, antes que a porta fechasse. Mas o pobre coitado estava exausto, foi buscar forças sabe-se lá onde. E lá conseguiu correr mais um pouco antes de cair redondo no chão. Tinha desmaiado, mas ao menos tinha alcançado a porta.
Andrew: Infiltras-te e nem me pões um dedo em cima. Oh, que pena a minha!
Na realidade, não tinha desmaiado, parecia mas… afinal até representava bem. É então que ele agarra o pé de Andrew e levanta a cabeça.
Tao: Dizias? Não te consigo meter a mão em cima?
Andrew: Que nojo! Tira essas mãos sujas do meu pé!
Tao: Não enquanto não te levar para onde deves estar.
Andrew: Oh por favor, pára com isso. Tanto tu como eu sabemos que SuHo não vai conseguir dar conta do recado, então logo após isso o reinado dele deixará de existir assim como vocês… nós somos mais fortes do que vocês, os revoltados vão ganhar Tao.
Tao: Não quero saber, a justiça tem de ser feita, uma vez que traíste a ordem tens de ser julgado e castigado conforme merces.
Andrew ao saltar: Catch me if you can.
O pé dele escapou-lhe da mão. A força que era exercida acabou por magoar Tao, ferindo-o na mão. Acho que os ténis de Andrew tinham algo.
Tao: Se eu te apanho… estás feito.
Andrew: Lembra-te que se me matares és tu que trais a ordem~ já não sou eu.
Tao: Então morrerei se preciso. Tu.Estás.Morto. Lee Andrew.
Andrew: Oh não sejas tão dramático Huang Zi Tao.
O clima não era lá muito agradável, por essa razão decidi que deveria ir até um sítio mais agradável, algo como um hotel.
Sr. SM: E as malas?
Guarda: Estão prontas Senhor.
Sr. SM: Os quartos?
Guarda: Segundo o relatório estão prontos Senhor.
Sr. SM: E o apartamento para a estadia antes de partirmos para o local das audições?
Guarda: Estão ambos prontos. Acho que já está tudo.
Sr. SM: Ainda bem, assim que puder ligue ao Sr. Saywer, quero falar com ele.
Guarda: Mas… não seria para a meni-
Sr. SM: Estou a falar consigo não estou?
Guarda: Sim ma-
Sr. SM: Então faça como disse.
Guarda: Sim Senhor…
Sr. SM:Quando estiver tudo pronto avisem-me.
Guarda: Farei os possíveis.
Bem, acho que me enganei no hotel… deve ter sido isso.
Era isso mesmo, ao local onde eu estava a tentar chegar ainda reinavam a paz e a harmonia. Pois, dormiam, neste caso, dormia. Kate ainda dormia. Tinha tido um dia cansativo. Estava à espera de receber um e-mail, uma confirmação de algo, por isso ainda tinha o seu Toshiba azul em cima de uma mesinha de cabeceira que estava ao lado da cama. Havia um suave batuque na porta.
Esse batuque fez Kate despertar.
Kate ao esfregar os olhos e a espreguiçar-se: Entre… - notava-se que tinha acabado de acordar, a voz era demasiado rouca.
JangHyun: Posso menina? – espreitou uma cabeça morena pela porta.
Kate: Pode…o que quer?
JangHyun: Acordei-a? Peço imensa desculpa!
Kate: Não, de modo nenhum. Quer alguma coisa?
JangHyun: Tem visitas, dois rapazes esperam-na lá em baixo.
Kate: O quê? Já? Mas…
JangHyun: Com licença.
A porta fechou-se.
Kate a espreguiçar-se novamente: Bem, vamos sair da cama. – Empurrou os lençóis para o lado, de maneira a poder sair da cama. – Huum, que roupa hei de vestir?
Tirou uma t-shirt branca, para por cima disso pôr uma camisa com um padrão alternado de quadrados cinzentos, pretos e brancos. Tirou também umas leggins pretas e umas botas cinzentas que chegavam até ao tornozelo. Para finalizar, pegou num pequeno gorro cinzento com um pompom no fim do mesmo. Depois de tomar banho, vestiu-se, ficou-lhe lindamente o visual. O gorro assumia um papel importante, parecia mais fofa assim. Para não se esquecer do telemóvel, das chaves e de tudo o resto que precisava, pegou na sua mala pequenina preta e pô-la no seu ombro. Fez a cama e arrumou o pijama antes de sair, não gostava que lhe mexessem nas roupas, só quando estavam para lavar e mesmo assim não era muito facilmente que os deixava fazê-lo. Após isso, saiu e trancou a porta.
Cá em baixo, estavam à sua espera dois rapazes, como JangHyun tinha dito. Eram ambos rapazes que tinham participados nos mesmos programas que ela. Vinham dar-lhe apoio. Um deles chamava-se Fabio, era grego. O outro era inglês, do mesmo país de Kate e chamava-se Joshua. As três únicas grandes diferenças entre eles eram os penteados, evidentemente a cor de cabelo e o tom dos olhos, que por muito pouco se diferenciavam. Ambos eram verdes mas, os de Joshua, eram mais escuros.
Kate: Ei rapazes! Fico feliz por vos ver.
Joshua: Igualmente.
Kate: O que fazem por aqui?
Fabio: Soubemos que ias participar em mais um programa, e como estavas por aqui… aproveitámos para te vir apoiar e conhecer o país.
Joshua ao coçar a parte de trás da cabeça: É…mais ou menos isso – sorriu.
Kate abraça ambos com força, estava tão feliz por voltar a vê-los que quase explodia de emoção.
Kate: Não vos via desde 2010!
Fabio: Sabes como é…
Joshua: Ah não mintas! Viste-me a mim. Até fui a tua casa!
Kate fechou um dos olhos e deitou a língua de fora: Apanhaste-me~
Joshua agarra o pescoço de Kate com um dos braços e começa a puxá-la euforicamente: Vamos vamos, vamos dar uma volta!
Fabio concordando e fazendo o mesmo que Joshua: Isso isso, vamos!
Kate a rir: Claro, porque não? Conhecem Seul?
Fabio e Joshua pararam a festa: Não.
Kate: Boa, tenho a oportunidade de ser eu a guiar-vos! – Tirou os braços de ambos do seu pescoço e pegou nas mãos deles. – Do que estamos à espera? Vamos!
Ouvia bastantes risos vindos da parte de ?, ela estava muito animada. O cansaço dela tinha agora sido posto de parte. Sabia bem ver alguém rir no meio de tanta cara sisuda. Joshua e Fabio também se divertiam bastante, Kate mostrava-lhes Seul, pelo menos a parte que conhecia.
Os três corriam como loucos pelas ruas de Seul, como crianças pequenas a brincar.
Fabio: Vamos onde agora?
Kate: Eu estava à espera do Sr. Lee Soo Man…. Mas já que vocês vieram…
Joshua: huh? Quem é ele?
Kate: Lembras-te daquele homem que te falei…aquele que eu disse que queria falar comigo…
Joshua: Percebido e entendido, deves voltar não é?
Kate: Bem… devia voltar agora~
Fabio: Então vamos a isso, boa sorte.
Kate: Sim, obrigado. – abraçou ambos. – Tenho que ir. Adeus~
E assim, Fabio e Joshua ficaram para trás enquanto que ?, correu até ao hotel. Eram 11 e pouco, a hora marcada para se encontrar com o Sr. SM.
Algures, já perto do Japão, encontrava-se Charmaine, Charmaine e LuHan. Isto a pedido de Tao. Iam encontrar-se com Tsubaki e com Kris que também estavam no Japão. Não demorou muito para que LuHan encontrasse Kris.
Kris: E ela?
LuHan encolheu os ombros: O Tao lá deve ter as suas razões…
Kris: Pensei que fosse algo melhor…
LuHan: Oh, também não é para nós. É para ele~
Kris: Realmente. Encontraste?
LuHan: Nem por isso…. Sabes, o Kai foi ter com o D.O. acho que encontraram pistas…
Kris: Estou com receio de uma coisa LuHan… está a preocupar-me muito…
LuHan ao ler a mente de D.O.: Não me digas, também eu… não quero que isso aconteça, vai ser uma chatice daquelas…
Kris: E o pior é que vai acontecer mesmo…
LuHan: Pois, também já sabia. O Tao vai ser o primeiro. – Suspirou.
Charmaine ao voltar com o seu crepe na mão: Então? Vamos? – Sorriu.
LuHan ao olhar para ela: Vamos. – Estava algo desanimado, a conversa com Kris não o tinha deixado muito feliz.
Kris: Não desanimes já, vais ver que ainda vai ser pior.
LuHan: uh, isso deixa-me completamente a full power… tás bem?
Kris: Oh, era só uma brincadeira…
LuHan: Não temos tempo para isso WuFan.
Kris: Whatever, não me chames isso.
LuHan: É o teu nome.
Kris: Sim, mas sabes bem que não quero relembrar-me dele…neste momento.
Charmaine: Vocês são tão lentos! Despachem-se. Quem é que eu ia mesmo conhecer?
LuHan ao suspirar: Mais uma vez Kasugano Tsubaki.
Charmaine: Katsugano Tsubaki?
Kris: Não acentues tanto a pronuncia, mais parece que tens algum problema com o primeiro nome dela…
Charmaine: Oh okay. Ka-su-ga-no Tsu-ba-ki. Está bem assim?
LuHan: Tenta dizer de uma forma mais natural.
Charmaine: Kasugano Tsubaki. Assim?
Kris: Perfect.
LuHan: Vão ter muito que falar, já que são as duas cha- quero dizer mulheres.
Charmaine: Não vêm comigo?
Kris: Não, tu ficas com ela, tenho a certeza que se vão dar ambas bem. Adeus!
Kris e LuHan começaram a correr dali para fora. Charmaine ficou a olhar para eles, que corriam. Tinha um crepe recheado com chocolate na mão. Olhou para ele e encolheu os ombros.
Charmaine: Ao menos ainda te tenho a ti… - Dá uma dentada no crepe – bem…daqui a nada fico sem ti, mas não tem problema.
Charmaine aproximou-se do portão gigantesco que se encontrava à sua frente, onde Kris e LuHan a tinham deixado. Aquilo mais parecia um filme de terror, um portão ‘’assustador’’, uma mansão, uma rapariga fora a ver a forma de entrar, vestida de preto e branco. Tirando o crepe, tudo parecia o cenário perfeito. Até era de noite.
Apareceu um homem. Era Yamamoto.
Yamamoto: Deseja alguma coisa, jovem?
Charmaine: Queria falar com Kabaki Tsukano.
Yamamoto: Desculpe?
Charmaine: Espere…era Kasubano Tsukaki… não…Basukano Tsuaki? Não… também não era assim… era…AH! Kosugano Tsubaki…. Não…espera Kasugano Tsubaki, é isso!
Yamamoto quase a cair para o lado com os disparates de Charmaine: Hum… o que quer de Tsubaki-san?
Charmaine: Deixaram-me aqui e disseram que eu tinha de ficar com ela. Sou filipina e vou participar naquele filme.
Yamamoto abriu o portão: Desculpe os meus modos, entre entre.
Charmaine entrou sem dificuldades, Yamamoto indicou-lhe o caminho antes de fechar o portão, por causa dessa fração de segundo em que se descuidou do portão, LuHan e Kris entraram ambos no terreno. Yamamoto fechou o portão.
Yamamoto: Queira acompanhar-me até ao quarto de Tsubaki-san. – Guiou Charmaine até dentro da mansão com o pressentimento que algo estava errado.
Charmaine: Têm crepes de chocolate?
Yamamoto: Claro que sim. Tudo o que quiser.
Charmaine a saltar: Boa, estou a gostar da casa de Tsukai.
Yamamoto levando uma das mãos à cabeça: Tsubaki menina.
Charmaine: Sim, Tsubaki.
Chegaram dentro da casa de Tsubaki.
Tsubaki ao descer a escadaria: Yama-kun, temos visitas?
Yamamoto: Sim Tsubaki-san, é a menina… - Vira-se para Charmaine – como era o seu nome?
Charmaine ignora Yamamoto e dirige-se a Tsubaki como se a conhecesse há muito: Olá Tsubaki! Sou a Charmaine~ venho das filipinas!
Tsubaki: Bem… hajimemashite~
Charmaine: Vais-me desculpar mas só falo inglês, não percebo mais nenhuma língua.
Tsubaki: Oh, sorry~ eu disse, prazer em conhecer-te.
Charmaine: O prazer é meu. Então…
Tsubaki: Bem-vinda a minha casa. Queres alguma coisa para comer?
Charmaine a resistir à tentação: Não, obrigada, estou cheia, comi um crepe de chocolate antes de vir.
Tsubaki: Boa, então vens fazer-me companhia~ - Agarra o braço de Charmaine e começa a correr pela escadaria a cima deixando Yamamoto meio aparvalhado.
Enquanto isso, os rapazes inspecionavam o exterior e chegaram a atrever-se a subir à varada de Tsubaki mas logo se arrependiam por causa da recordação de SeHun.
Milhares de quilómetros para oeste da Coreia, mais propiamente em Itália, havia quem tivesse dormido o dia inteiro.
Ouvi um estrondo, era XiuMin a chegar a casa com BaekHyun.
XiuMin: Ela vai ouvi-las. AL! LEVANTA ESSE RABO DA CAMA!
BaekHyun: Onde está o miúdo?
Alexander a bocejar: Estou aqui… tenho fome.
XiuMin a dirigir-se ao quarto de Alexys: Acorda sua preguiçosa! – Abre a porta e atira Alexys ao chão.
Alexys acorda novamente de relance: Onde? Quem? – olha para XiuMin – oh és tu… - levanta-se.
XiuMin: Não te disse para fazeres o pequeno-almoço e tomares conta do rapaz?
Alexys: Sim sim. Eu estava sozinha e estava a dormir obrigado pela preocupação – volta a deitar-se na cama – e não, não parti nada.
XiuMin: Pára com isso!
Alexys: Vai chatear outra pá! Deixa-me dormir já que não faço nada de útil.
XiuMin: És mesmo igual à tua mãe…
Alexys olha de relance para XiuMin e desvia o olhar: Cala-te. Não tens nada que me relembrar isso.
XiuMin: Aff, quem me dera que o pai cá estivesse, já tinhas levado duas chapadas e levantado esse rabo preguiçoso da cama.
Alexys: Não sejas tão fofinho para mim também te odeio.
XiuMin: Quem me dera que não tivesses nascido!
Alexys: Queres que faça o quê? Que salte da janela?
XiuMin: Era bem pensado!
Alexys: Tás com azar, não sei voar.
XiuMin: E eu com isso.
Alexys levanta-se, sai do quarto e bate com a porta. Chega à sala.
Alexys: Wow…. Quem são vocês? Ah, já sei. Devem ser amigos daquilo. Bem adeus não gostei de vos conhecer.
Ela saiu de casa mesmo em pijama… que coisa. Também só chegou até à porta. Ficou lá sentada nas escadas.
Pertinho dali, em Albano Laziale, Hiro estava sentado num banco a apreciar a paisagem.
Tia de Hiro: Então filho, estás a gostar?
Hiro: Ah, sim tia.
Tia de Hiro: Ainda bem. Sabes, o teu avô, pediu que te desse isto. Hoje.
Hiro: Como assim?
Tia de Hiro senta-se ao seu lado: Bem, vou ter de te contar tudo. O teu irmão…
-------------------------------------------------------{Fim do 3º Capítulo}-----------------------------------------------------------------
OMG xD mais um no fim~ *dançando de alegria*
I’m so proud of myself – not really xD
Bem, o que tenho eu para dizer a vós?
- Espero que tenham gostado o.o tava ali numa indecisão ‘’deixo-a dormir, não deixo…’’ acabei por deixar u.u era bom q a minha mãe me deixasse dormir um dia inteiro *-* claro q isto é tudo fantasia -.- mas prontos xD
-Peço desculpa ás pessoas que leram e q não gostaram xD sou muito bad a escrever como já deu para perceber tenho umas ideias malucas que me surgem de vez em quando >.> *olhando para todos os lados e assobiando fingindo que não percebeu a quem se estava a referir*
-As personagens tão quase todas na fic, faltam as novas que fui pescar a casa da minha m.a. no fórum ante ante ontem u.u (claro que já sei o que vos vai acontecer o.o)
-*atira donuts e crepes com chocolate para toda a gente* Elejam-me presidente e eu prometo que como mais comida o.o nah, queria dizer… xD comam isso e não se concentrem em matar-me o.o
-Se alguma coisa esta mal escrita o.o ou se não gostaram *começa a fugir sem acabar a frase*…. * de longe grita* não fui eu! * aproxima-se* ah, Ann unnie, desculpa lá ^^’’ tá muito estranha a tua parte *a olhar para o pc a ver que está a escrever cm s tivesse a flr para uma parede* enfim T.T
-Eu sou muito triste -.- toda a gente é famosa menos eu xD –omg eu a escrever aqui o futuro da Umma xD ahahha e de mais pessoas o.o – omg omg omg omg não bater em eu tá bem??? T^T mim atirar mais donuts se quiserem O.O (daqui a nada vou à falência por atirar donuts o.o)
-o.o caty unnie o.o desculpa lá os dois rapazes o.o pa tu veres o quão bloqueada estava –efeitos dos block b xD- tive a discutir com a minha irmã sobre qual rapaz pôr e ela dizia que o grego era giro u.u eu achei-o feio xD disse que o inglês era mais bonito xD quase que houve cabeças a voar por causa disso xD
-*le mim a imaginar a minha m.a. a fzr aquelas figurinhas* OMG O.o q parvoíce xD
-sou muito vossa amiga *-* só quero relembrar isso pa n me aleijarem muito :D
-*põe-se tipo leitoespetador (o.o parece q a palavra vem de leite o.o omg esta palavra é original *-* u.u é minha xD)* o.o da fuki yoyo…o.o o que é que o hiro tem? O.O ; omg :O o pai da Jewel é maluco? O.O ; ish o.o o D.O. na cama do XiuMin o.o omg :o ~anda cá d.o.~ xD ; *põe-se tipo claque* Vai Jessica vai vai (o.o mesmo q n goste muito de ti o.o força na maionese o.o) ; XiuMin, o mau da fita u.u a Alexys bem podia dormir mais um pouco! :o ; Charmaine meu amor tb quero crepe *começa a piscar os olhos*; VAI TAO *a partir a casa toda por causa dos murros que dá para o ar* o.o ups sorry pai o.o 1 mês de castigo T.T (jk jk) ; TOP TOP TOP TOP TOP TOP TOP TOP TOP TOP (não contes ao DaeSung! Ou então tá o caldo todo entornado u.u) ; ohhh o XiuMin tem soninho *-* qui fofo *o* ; *dando socos na cabeça de Lee Andrew como se fosse um saco de box* não fazer isso ao panda fofo! Ò.Ó eu saber yuyoka-fu! O3O e doer ouviu? u.u ai ai q a gente vai chatear-se Andrew u.u ; *le mim a ir até à coreia* now you can’t scape :3 o.o pera….o.o só o kai e o d.o. é q tão na coreia -.- o luhan tá no japão aioefhuiegeauerg *indo até ao japão* got’ya kekeke my dinner now~ :3 gonna eat hamburger for lunch :3 e não deixar nada p/ rabaleia u.u *terminando o relatório como leitoespetador*
-u.u é tudo o que eu ter a dizer :O buh bye – se me quiser contactar, não estou cá xD fugi para perto do FBI u.u zelo pela minha saúde o.O ainda por cima com saranhés malucos por aí como vocês o.o *running to FBI to scape from you, but then hears someone call* sim? *-* *rabaleia jumps from somewhere* gonna kill yaw! Mwhahaha * yuyokas runnig and screming* nooooooooooooooooooo T.T umma? Help T^T (umma umma umma *-* tenho 1 Mir miniatura na minha escola *p* é cara chapada dele xD *-* tão fofo *o* qualquer dia rapto-o :3)
-agora vou mm embora xD bye~ xD
[b][b]


Última edição por Yuyokas em Seg 26 Nov - 21:17:34, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
lenitta
Flaming Charisma
Flaming Charisma
avatar

Feminino Mensagens : 2574
Reputação : 0
Data de inscrição : 04/01/2012
Idade : 26
Localização : Setúbal - Montijo

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sab 24 Nov - 19:39:16

ok... vou tar ocupada a ler..
Voltar ao Topo Ir em baixo
Annlunah 찬영 상태 ♥
Broken Time
Broken Time
avatar

Feminino Mensagens : 1728
Reputação : 0
Data de inscrição : 15/06/2011
Idade : 20
Localização : Philippines. Kidnaping SeHun's typist.

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sab 24 Nov - 22:36:54

LAUGHING HARD BECAUSE OF PÓS-CAPÍTULO.

eu não te mato, dongsaeng, eu sou def xDD

ME GUSTARAM OS 3 *-*
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://chanlunah.tumblr.com
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Sab 24 Nov - 22:39:05

Antes de abrir por ser o 1º comment q tenho teu a uma fic minha: /\/\/\/\/\/\
Quando abri: aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
quando vim ler: ---------------------------------------
xD hahaahahah
mas ainda bem q gostaste xD ahahha
o.O eu fiz-te rir? O.o ainda bem :3
Voltar ao Topo Ir em baixo
Annlunah 찬영 상태 ♥
Broken Time
Broken Time
avatar

Feminino Mensagens : 1728
Reputação : 0
Data de inscrição : 15/06/2011
Idade : 20
Localização : Philippines. Kidnaping SeHun's typist.

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Dom 25 Nov - 21:09:56

Yukon's Localização: Lisboa, Portugal, Europa, Terra, Via Láctea, e n sei mais u.u
Sistema Solar, depois Via Láctea e depois Universo, just saying xDD


BTW. YESEU.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://chanlunah.tumblr.com
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Dom 25 Nov - 21:11:11

u.u gomawokies xD depois edito xD ahahahha xD
:3 ainda bem x3 é mesmo esse o propósito xDDD
Voltar ao Topo Ir em baixo
cataemin & Miss Zelo
Dangerous Addicted
Dangerous Addicted
avatar

Feminino Mensagens : 9287
Reputação : 0
Data de inscrição : 08/08/2011
Idade : 21
Localização : lisboa- I live with SHINee forever eheh(i wish)

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Dom 25 Nov - 21:50:45

ADOREIIII
arranjaste-me uns amigos bem giros
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Dom 25 Nov - 21:54:12

hahah x3 ainda bem luvyy *-*
u.u haha xD tem de seer xD é pa crescer-mos com boa saúde xDDDDDDD
Voltar ao Topo Ir em baixo
cataemin & Miss Zelo
Dangerous Addicted
Dangerous Addicted
avatar

Feminino Mensagens : 9287
Reputação : 0
Data de inscrição : 08/08/2011
Idade : 21
Localização : lisboa- I live with SHINee forever eheh(i wish)

MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   Dom 25 Nov - 22:20:48

ahahahah so tu mm
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 2 de 3Ir à página : Anterior  1, 2, 3  Seguinte
 Tópicos similares
-
» Powers Of You [Exo e...] {Capítulos 1 e 2 na Página 2}
» Diários de um vampiro,Onde tudo pode Acontecer! (Ultimo Capitulo Postado!!!)
» As garotas da casa 483 Capitulo 9 postado!
» Tópicos com títulos coloridos - NOVA REGRA
» A Maldição Da Bruxa Dorothy Jackie (Capítulo 2 postado!)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
SHINee Portugal :: SHINee Club! :: FanFic's-
Ir para: